Adriane Galisteu relembra morte de Ayrton Senna e diz que incentivou irresponsabilidade

Adriane Galisteu
Adriane Galisteu era namorada de Ayrton Senna na época do acidente fatal, em 1994 (Imagem: Reprodução / Google)

Adriane Galisteu namorou com Ayrton Senna em 1993, um ano antes da morte trágica do cantor, no Grande Prêmio de San Marino, em Ímola, na Itália. A loira relembrou o tempo que passou com o saudoso piloto e como era sua relação com ele.

A apresentadora esteve numa matéria do Esporte Espetacular deste domingo (11), sobre os 70 anos da Fórmula 1 e admitiu que incentivava uma certa “irresponsabilidade” para Senna, em meio a tantas atribuições da carreira: “Eu tinha 19 anos. Claro que eu levei toda a irresponsabilidade para ele. Falava: ‘não precisava fazer a barba. Fica cabeludo, fica barbudo’“.

Eu achava curioso que ele não se divertia com tudo que tinha aos pés dele. E eu ficava puxando ele para isso. Tanto que insistia para ele tirar férias“, continuou Galisteu, explicando o porquê de tomar essa atitude com o então namorado.

Mesmo casada e com seu filho, Adriane Galisteu ainda preserva Ayrton Senna em sua memória e seu marido, Alexandre Iódice, lida bem com isso, como contou: “Toco a minha vida, tenho 47 anos, mas 1994 está sempre aqui comigo. Sou casada com um brasileiro que amava o Ayrton também. Meu filho Vittorio tem 9 anos e já sabe quem foi o Ayrton. Ele sabe da importância do Ayrton para a mãe dele, para o Brasil e para o mundo“.

Anteriormente, em seu canal do YouTube, a apresentadora defendeu-se das acusações de que teria usado o namoro com o piloto para se promover: “Eu me perguntava se o fato de ter namorado o Ayrton iria me fazer não chegar onde sempre acreditei que seria capaz. Muita gente acha que foi graças a ele que eu cheguei onde cheguei, não me importa. Carrego a minha história com o Ayrton não como um fardo, mas como escudo. Tenho muito orgulho da história que vivi, da mulher que sempre fui“.