Alexandre Garcia detona imprensa, critica combate às fake news e fala de demissão

Alexandre Garcia
Alexandre Garcia detonou a imprensa após a sua demissão (Imagem: Reprodução / CNN Brasil)

Alexandre Garcia voltou a desabafar sobre a sua polêmica demissão da CNN Brasil, que ocorreu no último dia 24, após ele ter sido desmentido ao vivo sobre o tratamento precoce contra a Covid-19, que não tem eficácia cientificamente comprovada.

Nesta quinta-feira (30), o jornalista criticou a forma como a mídia tem agido no combate às fake news. Na época da demissão, cabe lembrar, o canal de notícias deixou claro que a rescisão foi tomada especificamente pelas posições do comentarista no último ano.

“Essa história de fake news é uma invenção para carimbar nas pessoas que contrariam aquilo que eles acham que tem que ser o pensamento dogmático, pensamento único. Em 50 anos de jornalismo, em 80 anos de vida, eu nunca vi uma situação como essas, em que se estabelece o que é falso e o que não é. Mas quem estabelece?”, declarou ele ao canal “Pingos nos Is”, da Jovem Pan.

Alexandre Garcia seguiu: “[Quem estabelece] é um personagem de órgão, do [livro] ‘1984’, que estabelece isso. Leu na cartilha, teve a cabeça sequestrada por algum professor e resultou nisso. Infelizmente, é isso que estamos vivendo. E o pior de tudo é o silêncio de muitos que deviam estar defendendo a liberdade de expressão”.

O famoso afirmou que este dito “partidarismo” da imprensa se dá por um “desespero” de não “receber dinheiro do governo”. Ele é conhecido por ser um ferrenho apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“É resultado de um tipo de desespero, de muita gente que perdeu a oportunidade de receber dinheiro do governo através de verbas polpudas que compravam muitas publicações, muitas pessoas, Tem 1.000 dias de abstinência, essa abstinência faz roncar o estômago e as bocas, é uma reação, um desespero. Antes era mais fácil. Não precisava de talento, não precisava se ater aos fatos”, desabafou.

Em sua participação no quadro “Liberdade de Opinião” antes de ser demitido, Garcia comentava sobre as denúncias contra a operadora de saúde Prevent Senior quando afirmou que os “remédios sem eficácia comprovada salvaram milhares de vidas”.

“Os tais remédios sem eficácia comprovada salvaram milhares de vidas sendo aplicados imediatamente, mesmo antes do resultado do teste. É na fase 1, na fase 2 às vezes evitam hospitalizações. Na fase 1 sempre evitam hospitalizações, sempre evitam sofrimento. Na fase 3 são ineficazes, depois que a pessoa já está hospitalizada ou intubada. […] Essa questão de eficácia comprovada a gente só vai saber daqui uns três anos. Agora tudo é experimental“, declarou, na ocasião.

MAIS LIDAS

Luiz Fábio Almeida
Luiz Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e colunista do RD1. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser encontrado através do email [email protected]
Veja mais ›