Angélica desabafa sobre dificuldade para orientar filhos durante a pandemia

Angélica
Angélica estudando com a filha Eva; a apresentadora revelou em entrevista à Thaís Fersoza sobre dificuldades de trabalhar o homeschooling (Imagem: Arquivo Pessoal)

Angélica desabafou sobre as dificuldades de lidar com o homeschooling dos seus filhos durante a pandemia. A apresentadora contou em entrevista ao canal de Thaís Fersoza no YouTube que teve de estabelecer uma rotina para conseguir organizar os estudos das crianças a distância.

“Quando percebi que a coisa ia demorar, dei uma de general e comecei a criar rotinas (…) Eles tinham aula on-line de 8h da manhã ao meio-dia. A gente tinha uma rotina. Eles continuaram a fazer as atividades extras on-line. A gente criou a dinâmica de levar o prato à mesa, levar o prato na pia… Lava? Não lava. Mas leva o prato (…) São coisas tão ricas. Isso precisa ser feito”, afirmou a loira.

A global revelou que a filha mais nova, Eva, foi a que mais deu trabalho por estar em período de alfabetização. “Eva estava alfabetizando, que ela tem 7 anos. Então, meu amor… Eu ficava todos os dias de 9h da manhã ao meio-dia fazendo aula com ela, de segunda a sexta. A gente se redescobriu: brigou, se irritou, tive que contar até dez várias vezes. Ela conheceu uma mãe que não conhecia porque a gente só brincava, se divertia… Porque eu não sou professora, não sou pedagoga…”, revelou ela que também é mãe de Joaquim, de 15 anos e Benício, de 11.

A famosa confessou que quase desistiu de acompanhar a caçula nas aulas. ”No terceiro mês, liguei para a escola e falei: “‘Olha, não aguento mais!’ Muita mãe desistiu. E eu descobri que no final também foi bom. Hoje vou ter o orgulho de bater no peito e dizer: ‘Eu alfabetizei minha filha!’ Olha que legal. Tem o lado bom, mas foi estressante e dolorido para a gente”, ponderou.

Questionada sobre a relação com o marido, Luciano Huck, na quarentena, Angélica garantiu que o casal não teve nenhuma discussão séria, por tentarem respeitar o espaço de um e do outro. Porém, confidenciou que chegou a se estressar com o companheiro por causa dos afazeres domésticos. “Não ajuda muito. Eles não ajudam… É raro o homem que vai lá arrumar um banheiro, que vai lavar uma louça…”, reclamou.

Veja: