Anitta explica posicionamento político e lembra encontro com Madonna

Anitta
Anitta comentou sobre engajamento político em entrevista a Serginho Groisman, no Altas Horas (Imagem: Reprodução / Globo)

Quem acompanha Anitta nas redes sociais certamente percebeu o seu maior engajamento com a política. Em entrevista remota a Serginho Groisman, exibida no Altas Horas, da Globo, deste sábado (11), a cantora contou como o período na pandemia a ajudou a se envolver mais no assunto.

“Descobri que existia esse interesse quando as pessoas começaram a me cobrar muito. Falei: ‘caramba, preciso dar uma opinião, mas não sei nada sobre assunto’. E eu detesto falar coisas que não sei, prefiro ficar calada. Com essa coisa de ter mais tempo, uma boa oportunidade de aprender e compartilhar esse aprendizado”, afirmou ela.

A funkeira ainda explicou o motivo pela demora em se posicionar. “Sempre fui uma pessoa que quis mudar as coisas de alguma maneira, fazer história, fazer diferença. Nunca tinha me interessado por política porque a estrutura do nosso governo faz a gente se desinteressar. Sempre uma linguagem muito difícil, estudei em escola pública, então não era da minha realidade”, justificou.

A Poderosa, então, passou a se envolver em questões de cunho político. Graças à sua pressão, o deputado Felipe Carreras (PSB-PE) retirou uma emenda da medida provisória sobre a cobrança nos direitos autorais para eventos públicos e privados. Além disso, ela já saiu em defesa da Floresta Amazônica.

“Fiquei muito feliz que consegui mudar dois destinos de duas situações que aconteceriam na lei brasileira nesse momento de Covid, em que as pessoas estavam se aproveitando, literalmente, do momento para aplicar certas mudanças nas nossas leis. Me senti muito surpresa, honrada, feliz e assustada de ter conseguido mudar o rumo de duas situações: uma com direitos autorais dos músicos, outra com uma questão da Floresta Amazônica. Acho que tenho que continuar nessa missão”, comemorou.

Sobre o período de quarentena, a famosa confessou que tem aproveitado o período mais. “Sou uma pessoa que não consegue ficar parada, sou muito ativa. Porém, comparando a vida que eu tinha antes, o fato de estar sempre viajando de um lado para o outro, principalmente com a carreira internacional, eu não parar nesse país, está sendo gostoso curtir minha casa, meus cachorros, está sendo bom por esse lado. Na quarentena, estou fazendo aula de teatro, piano e francês. Estou aprendendo de tudo”, avaliou ela.

Ainda no bate-papo, a intérprete Bang e Paradinha lembrou do encontro com Madonna, na qual culminou em uma parceria no álbum da Rainha do Pop: “Ela me ligou para escutar a música e marcou comigo num estúdio em Nova York. Fui chocada, sem acreditar que aquilo estava acontecendo. Ela gravou com pouquíssimas mulheres na vida dela. Nesse CD, fui a única mulher de participação. Ela falou que estava procurando mulheres que se identificasse com a história, com o discurso, que fossem empoderadas e ela gostou muito do meu trabalho”.

“Cheguei no estúdio com uma dor de barriga, tava muito nervosa. A gente ficou umas 8 horas trabalhando na música. Ela me ajudou no sotaque em inglês e eu ajudei no português. Ela me deu vários outros conselhos de vida, voltei chorando muito pra casa esse dia”, acrescentou Anitta.