Antonio Fagundes revela real motivo de ter saído da Globo e recusado papel em Pantanal

Antonio Fagundes
Antonio Fagundes fala sobre saída da Globo após 44 anos (Imagem: Victor Pollak / Globo)

Antonio Fagundes foi durante muitos anos um dos principais nomes da dramaturgia da Globo. Responsável por diversos sucessos na emissora, o ator decidiu não renovar seu contrato após 44 anos de parceria.

Apesar de muitos acharem que ele foi dispensado, o veterano afirmou em entrevista ao Notícias da TV que não aceitou as novas condições impostas pela empresa.

No novo formato, a Globo queria romper o acordo que assegurava ao ator o direito de gravar novelas e séries apenas três dias por semana, permitindo que ele conciliasse com seus trabalhos no teatro.

A decisão de não renovar partiu de mim. Fui eu que não quis: quando me chamaram para fazer Pantanal, não aceitei as condições que me ofereceram. Para começo de conversa, eles não queriam mais respeitar o acordo pelo qual eu poderia gravar apenas três dias por semana [que permitia a Fagundes conciliar TV e teatro]. Um pacto de 44 anos com a TV Globo foi quebrado nessa proposta, então não aceitei. O novo modelo não me interessa”, destacou Fagundes.

Ao falar sobre a decisão do canal de dispensar alguns antigos profissionais, alegando corte de custos, o artista ressaltou: “A Globo é uma empresa e pode escolher os caminhos que ela quiser, do jeito que ela quiser. A emissora sempre teve autonomia para tomar decisões, e está se valendo mais uma vez dessa liberdade. Se o fato de a Globo estar abrindo mão  do seu patrimônio vai trazer algum reflexo para ela, só o futuro dirá”.

Durante o bate-papo, Antonio também falou sobre os impactos da pandemia na área da cultura. “A pandemia não é a culpada pela atual situação. Muito antes, esse governo já havia sinalizado que a cultura não interessava e tinha que ser eliminada, inclusive encaminhando fake news e incitando o ódio contra a classe artística. Mas, em maior ou menor grau, este é um setor que sempre enfrentou problemas: sai governo, entra governo, a gente nunca sabe se existirão e como serão as medidas de estímulo”, enfatizou.

É preciso que a cultura se torne uma política de Estado. Ou seja, não importa quem seja o inquilino do Palácio do Planalto, interessa que a cultura é importante para o país. Tem que ter verbas perenes –não só pequenos patrocínios e apoios esporádicos– provenientes da iniciativa privada ou de impostos e subsídios diretos vindos do Estado, como acontece em outros países. Caso as mudanças de governo para governo persistam, nós vamos estar condenados, sob a perspectiva cultural, a um cenário de miséria”, completou.

Da Redação
A Redação do RD1 é composta por especialistas quando o assunto é audiência da TV, novelas, famosos e notícias da TV.  Conta com jornalistas que são referência há mais de 10 anos na repercussão de assuntos televisivos, referenciados e reconhecidos por famosos, profissionais da área e pelo público. Apura e publica diariamente dezenas de notícias consumidas por milhões de pessoas semanalmente. Conheça a equipe.
Veja mais ›