Após 35 anos, Tino Marcos deixa a Globo e anuncia aposentadoria

Tino Marcos
Tino Marcos deixa a Globo após 35 anos e se aposenta do trabalho como repórter (Imagem: Divulgação/ Globo)

Um dos principais nomes do jornalismo esportivo atual, Tino Marcos está de saída da Globo, após 35 anos. O repórter decidiu encerrar a sua carreira como repórter e vai cumprir o seu contrato até o fim deste mês.

Aos 58 anos, ele decidiu parar o trabalho em seu auge da carreira, depois de oito Copas do Mundo, seis Olimpíadas e incontáveis transmissões e reportagens nos principais jornalísticos da emissora carioca.

Tino Marcos começou sua vida no jornalismo no Jornal dos Sports, quando ainda nem planejava trabalhar em televisão. Em 1985, foi convidado para trabalhar na Globo. Cobrindo diretamente a Seleção Brasileira, o jornalista viveu os momentos mais marcantes da carreira.

Antes de se aposentar, o famoso deixou uma série de reportagens gravadas para ir ao ar no Jornal Nacional, em julho, antes dos Jogos de Tóquio.

“Nos últimos tempos, fiquei fazendo grandes reportagens. Fiz uma série olímpica, que ficou maravilhosa, e vai ao ar no Jornal Nacional antes dos Jogos de Tóquio. Vamos explicar que foi gravada antes da pandemia. Vai ser a cereja do bolo, minha última grande produção no esporte”, comentou ele ao GE.

Na conversa com o site do Grupo Globo, o repórter salientou que a pandemia da covid-19 acelerou a sua decisão sobre o seu futuro.

“É uma variável decisiva nesse processo. Tornou inviável agora a gente fazer o que vinha fazendo. Não sei quando vamos voltar a ter a plenitude. E quando vamos voltar? Não sabemos como está o mundo. Tem todo um contexto. Minha filha se formando na faculdade, minha esposa se aposentado esse ano, eu perdi os meus pais. Tinha um envolvimento muito grande com eles e fiquei sem eles. A vida… 2021 está me trazendo muitas novidades. Por agora é isso aí.”

Ele ainda lembrou de alguns momentos que o fizeram ter a certeza que era a hora de parar: “Quando acabou a Copa América em 2019 eram exatos 30 anos depois da minha primeira Copa América que eu cobri. Também no Maracanã, também com vitória do Brasil. Eram 30 anos redondos”.

“O meu processo foi um processo de desmame, que começou assim, com esses 30 anos de cobertura da Copa América, ganhando a Copa América também, fazendo a crônica como eu fiz da outra vez também. Esse é o momento mais legal para eu dar um ponto final bonito com a Seleção Brasileira, alegre. Não vinha cobrindo a Seleção no segundo semestre. Vem a pandemia e tudo para”, comentou.

Tino Marcos ainda salientou: “Fiquei fazendo grandes reportagens, fiz a série olímpica, que ficou maravilhosa, e vai ao ar. Vamos explicar que foram gravadas antes da pandemia. Super feliz… Vai ser a cereja do bolo. E minha última grande produção no esporte, com câmera aquática, câmera aérea, uma captação maravilhosa. Depois, acabou a brincadeira com a pandemia e mudou o jogo”.

Fábio AlmeidaFábio Almeida
Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e responsável pela coluna "Do Fundo do Baú", publicada às quintas-feiras no RD1, com conteúdos marcantes da história da TV brasileira. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser através do email luizfabio@rd1audiencia.com
Veja mais ›