Apresentadora da Record faz longo desabafo após ser demitida e denuncia casos de machismo

Mariana Martins
Mariana Martins critica decisão da Record envolvendo sua demissão e cita machismo (Imagem: Reprodução / Instagram)

A apresentadora Mariana Martins, da Record em Goiás, anunciou nesta terça-feira (25) que foi comunicada da sua demissão e decidiu compartilhar a informação com seus seguidores. Através de um longo desabafo, a jornalista alegou que foi alvo de machismo e constrangimento na emissora ao longo dos anos.

Hoje pela manhã, eu fui comunicada de uma decisão da empresa pela minha demissão. Não me disseram o motivo e eu acredito que eu tenha que dar uma satisfação pra vocês que me acompanham. Eu sei alguns dos motivos. Então eu queria dividir com vocês algumas coisas, até para que sirva de alerta para outras mulheres”, começou Mariana em seu vídeo.

A ex-comandante do Balanço Geral Manhã revelou ainda que uma das situações mais constrangedoras aconteceu no último dia 4, quando, em uma reunião, foram exibidas fotos dela de biquíni, em viagens, alegando que esse era um dos motivos da baixa audiência do matinal.

“Me levaram para uma reunião, havia várias pessoas nessa reunião, foram apresentados números de audiência, mostraram que o nosso jornal perdeu audiência. […] Só que eles não percebem que a culpa não é das pessoas, a culpa não é da Mariana. Colocaram nessa reunião várias fotos das minhas redes sociais, com a presença de várias pessoas, me constrangendo de uma forma absurda. Colocaram fotos minhas de biquíni, fotos minhas de viagem. Dizendo que eu tinha que me transformar. Que eu tinha que transformar o meu Instagram em outro pra falar a língua desse público, pra chamar as pessoas, porque estavam muito bonitas as fotos”, destacou a jornalista.

Isso não está certo. Eu não estou fazendo isso aqui para aparecer, para nada. É só para você mulher saber que não é a sua roupa, não deixem colocar isso na sua cabeça, que vai te definir, não. Não é porque eu postei uma foto de biquíni que eu sou menos jornalista por isso. Porque o meu papel está bem feito no jornal”, complementou.

Martins contou ainda que chegou a ouvir de uma gerente que ela deveria “sensualizar menos”. “Cheguei a ouvir de uma gerente, mulher, que talvez meu jeito de andar não era o certo. E que eu deveria sensualizar menos na hora de falar”, disse.

Em seguida, a profissional ainda afirmou que a Record pratica tortura psicológica com funcionários:

“Isso não está certo. No contrato que a gente assina, não tem nada que diz que eles podem gerir as nossas redes sociais, porque é a minha vida, é a minha individualidade. É a minha casa que eu mostro para vocês. Eles não podem fazer isso por contrato, mas eles fazem. Eles fazem pressão na gente. Eles fazem tortura psicológica com a gente”.

“Não é esse preconceito e esse machismo que vão destruir a história que eu construí. Eu sei do meu valor e, acima de tudo, a verdade sempre prevalece. Então, mulheres, levantem a cabeça e valorizem o conteúdo, a inteligência. Não deixem que diminuam vocês nunca por questões físicas. Esse tipo de preconceito precisa acabar”, finalizou Mariana.

Confira:

Elson BarbosaElson Barbosa
Jornalista, encantado pelo entretenimento e pela possibilidade de contar e conhecer várias histórias ao mesmo tempo. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @ellsonbarbosa
Veja mais ›