Arthur Picoli toma atitude inesperada após ameaças de haters: “O que eu fiz para isso?”

Arthur Picoli
Arthur Picoli deu seu carro para evitar perseguição de haters (Imagem: Reprodução / Instagram)

Arthur Picoli saiu de Conduru, pequena cidade do Espírito Santo, para a casa mais vigiada do Brasil e hoje, três meses após o fim do BBB 21, o ex-brother ainda não assimila bem a fama conquistada por sua passagem no programa e os reflexos negativos que ela trouxe.

Recentemente, por exemplo, o rapaz se viu obrigado a dar o seu carro, após sofrer ameaças e perseguições de haters na internet e até presencialmente.

Eu dei o meu carro. Por causa de placa, etc. As pessoas me seguiam quando eu ia treinar. Me filmavam entrando na academia, depois eu saindo, entrando no carro, o carro saindo e elas indo atrás. Peguei o carro e vazei. A galera estava realmente atrás de mim. E eu não acreditava, achava que era adolescente da internet. E baseado em quê? O que eu fiz para isso? Ameaçaram minha mãe, meu sobrinho de 2 anos“, lamentou em entrevista a Junior Coimbra no YouTube.

Também na conversa, o professor de crossfit falou sobre o seu relacionamento com a atriz Carla Diaz dentro da atração. Segundo ele, o fato de ela ser famosa o intimidou e interferiu para que o romance entre os dois não vingasse.

Aqui fora a vida é boa, eu me dou muito bem. Há dois anos eu morava num distrito de três mil habitantes. Lá dentro tem nove câmeras só na cozinha, fora o que gente não vê. E, por ser uma pessoa famosa, é muito difícil. Nunca tinha ficado com ninguém famoso. Não sabia nem como cantá-la“, explicou.

Para o galã, houve ainda uma interpretação equivocada das suas atitudes dentro do Big Brother para com a loira.

Acho que as pessoas tiveram uma visão um pouco deturpada da situação. Antes do paredão falso eu falei: ‘Vamos nos afastar porque quem está comigo está saindo’. Só que a gente morava junto, não tinha como afastar. O que ia afastar era eliminação. E, quando a pessoa sai e você fica mal, isso te faz pensar“, refletiu.

Apesar disso, o crossfiteiro não minimiza suas próprias falhas:

Eu errei, falei diversas besteiras, bobagens, como a gente fala aqui. Se colocassem uma câmera na cara de todo mundo, todo mundo se ferra. Sobre o negócio de ajoelhar, ela já falou milhões de vezes que foi premeditado para mostrar que a gente estava jogando junto, e a galera taxa como uma coisa diferente. Igual falam do lance do ‘partiu’ (a resposta dele à dela). Em momento algum eu fui seco, eu fiquei das 22h às 10h bebendo pra caramba, uma hora depois ela chegou na casa. Eu não estava nem de ressaca, estava bêbado ainda. E é meu jeito. As pessoas não aceitam o jeito das pessoas“.

Tudo isso justifica também o fato de ele não conseguir avançar em relacionamentos de forma geral. “Tenho dificuldade de mostrar sentimentos. Resenhar é super fácil, tenho facilidade de falar com as pessoas, mas, quando o assunto é relacionamento, desanda tudo“, concluiu.

Confira:

Esse conteúdo não pode ser exibido em seu navegador.

Elson Barbosa
Jornalista, encantado pelo entretenimento e pela possibilidade de contar e conhecer várias histórias ao mesmo tempo. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @ellsonbarbosa
Veja mais ›