Beatriz Segall, em cena de “Vale Tudo” com João Bourbonnais, Pedro Paulo Rangel, Regina Duarte e Cláudio Corrêa e Castro (Imagem: Divulgação / Globo)

Daniel Filho não considerava Beatriz Segall uma “boa opção” para Odete Roitman, criação de Aguinaldo Silva, Gilberto Braga e Leonor Bassères para “Vale Tudo” (1988), uma das novelas de maior audiência e prestígio da TV brasileira. Hoje, 30 anos depois, é possível afirmar que até mesmo um gênio como Daniel é passível de erros. A atriz fez de Odete a mais inesquecível das vilãs! A ponto de ter sua carreira, quase sempre, relacionada única e exclusivamente a ela.

Mas, curiosamente, é Odete Roitman quem está no ar, de novo, através do Canal Viva, no momento em que Beatriz Segall, 92 anos, nos deixa. Nestas últimas semanas, enquanto o público a apreciava – esbanjando vitalidade e talento – na telinha, ela padecia na “vida real” entre uma internação e outra, desde o agravo de seu quadro de saúde por conta de problemas respiratórios. Beatriz viveu e morreu sob a sombra de Odete. Foi, porém, muito mais do que a execrável Almeida Roitman…

Beatriz Segall e Fábio Assunção em “Sonho Meu” (1993) (Imagem: Divulgação / Globo)

Eu a conheci terna, chorando a morte do neto Jorge (Fábio Assunção), médico e monstro de “Sonho Meu”, folhetim das 18h obrigatório para toda criança dos anos 1990. Ali, cinco anos depois de “Vale Tudo”, Beatriz encarnava Paula Candeias de Sá, a milionária paranaense que buscava dividir os negócios da família, de maneira igualitária, entre Jorge e o irmão deste, Lucas (Leonardo Vieira). O ciúme que o primeiro nutria em relação ao segundo – agravado pela presença de Cláudia (Patrícia França), esposa de Lucas – terminou por desestabilizar o clã. Coube a Paula, conciliadora, “juntar os caquinhos”, redescobrindo a paz de espírito em Lalesca (Carolina Pavanelli), a pequena filha de Cláudia.

Betty Faria e Beatriz Segall em “De Corpo e Alma” (1992) (Imagem: Divulgação / Globo)

No ano anterior, Beatriz foi Stella, a professora universitária que frequentava, assiduamente, o Clube das Mulheres, um dos principais cenários de “De Corpo e Alma”. Emancipada, ela aconselhava a amiga Antônia (Betty Faria) a buscar uma saída definitiva para seu casamento com Diogo (Tarcísio Meira); enquanto isso, se deixava enredar pelo charme de Juca (Victor Fasano), stripper de muitos músculos e pouco cérebro. Não que Juca fosse desprovido de inteligência, longe disso. É que ele seguia, quase cegamente, as ordens de Vidal (Carlos Vereza), o garçom do clube que pretendia vingar-se de Stella, por conta de um abandono no passado, usando do “homem-objeto”.

Beatriz Segall em “Carmem” (1987) (Imagem: Reprodução / Revista Amiga)

“De Corpo e Alma” foi a terceira parceria de Beatriz Segall e Gloria Perez. Em 1987, a atriz seguiu com a autora para a Manchete, assumindo um tipo incomum em sua carreira – marcada por mulheres endinheiras, refinadas e cultas. Foi a humilde Alzira, mãe da protagonista Carmem (Lucélia Santos), em, claro, “Carmem”. As péssimas experiências da mãe com os homens e a rejeição daqueles que deseja levam Carmem a estabelecer um pacto com a pomba-gira: ela consegue domínio sobre o sexo oposto; seu charme, porém, leva o pacato José a assassiná-la, movido, claro, pelo sentimento de posse. Além de Alzira, Beatriz foi “mulher do povo” em “Os Adolescentes” (1982, na Band) e “Champagne” (1983, na Globo).

Beatriz Segall e Mário Lago em “Barriga de Aluguel” (1990) (Imagem: Divulgação / Globo)

O segundo encontro com Gloria se deu justamente na volta desta à Globo, em 1990. Após “Vale Tudo”, e a minissérie “A E I O… Urca”, Beatriz assumiu a cientista Penélope Brown, de “Barriga de Aluguel”, às 18h. Ou, Miss Brown, como era chamada por Molina (Mário Lago), médico tradicional, contrário às ideias modernosas da colega – e “crush” – como a inseminação artificial que permite à protagonista Clara (Cláudia Abreu) gerar um filho para Ana (Cássia Kis). Onze anos depois, Gloria Perez resgatou Brown e Molina para o debate ético a respeito do trabalho de Albieri (Juca de Oliveira), que ousou clonar o empresário Lucas (Murilo Benício), na tentativa de devolver vida ao afilhado falecido, Diogo (também Murilo), seu afilhado, em “O Clone”.

Beatriz Segall em “Anjo Mau” (1997) (Imagem: Divulgação / Globo)

Beatriz Segall teve outro bom momento às 18h, com “Anjo Mau”. Sua personagem, Clô Jordão, não existia no original de Cassiano Gabus Mendes; a quatrocentona falida era obra de Maria Adelaide Amaral, que incrementou o texto de 1976 com tramas de sua autoria, alocadas inicialmente em uma sinopse que acabou engavetada. Clô amargava a solidão, e a pobreza, após ter se afastado do amado Eduardo (José Lewgoy) e rejeitado, indiretamente, a corte do imigrante Américo (Sérgio Viotti). Embora falida, ela lutava para conservar o que lhe restou de dignidade, bem diferente da irmã, Elisinha (a também saudosa Ariclê Perez). Foi a última novela inteira de Beatriz na Globo; ela ainda atuou em “Bicho do Mato” (2006), na Record.

Beatriz Segall e Fábio Jr em “Água Viva” (1980) (Imagem: Divulgação / Globo)

O Viva nos brindou com outros três resgates da carreira de Beatriz Segall, além de Odete Roitman: Celina de Souza Prado Cardoso, de “Dancin’ Days” (1978), sua estreia na Globo – eliminada do roteiro em um acidente automobilístico por falta de função; Norah, mãe de Carina (Elizabeth Savala), em “Pai Herói” (1979), que, após a viuvez, ousava enfrentar a sogra, Januária Limeira Brandão (Lélia Abramo), para unir-se ao cunhado Horácio (Emiliano Queiróz); e Lourdes Mesquita, de “Água Viva”, oportunista, tão maldosa quanto Odete – embora sem o verniz social desta. Três tipos diferentes; mais três amostras do talento de Beatriz Segall.

Nos últimos anos, a atriz participou, brevemente, de “Esperança” (2002) e de “Lado a Lado” (2012) – como Madame Besançon, sobrenome empregado por Henriette Morineau, uma de suas “mentoras artísticas”, em “Escrava Isaura” (1976) e “Água Viva”. Também das séries “Lara com Z” (2011) e “Os Experientes” (2015); despediu-se da TV falando em velhice. A velhice que a tornou bissexta e que, cruel, a levou a morte. Do pó vieste, ao pó voltará, sabemos. Grandes talentos, contudo, não somem com o pó. Se eternizam em personagens, cenas e falas; Beatriz Segall é eterna, em Odete Roitman e tantas outras. À ela, o nosso respeito, o nosso aplauso e a nossa saudade…

_____________________________________________

Duh Secco é “telemaníaco” desde criancinha. Em 2014, criou o blog “Vivo no Viva”, repercutindo novelas e demais atrações do Canal Viva. Foi contratado pela Globosat no ano seguinte. Integra o time do RD1 desde 2016, nas funções de repórter e colunista. Também está nas redes sociais (@DuhSecco), sempre reverenciando a história da TV e comentando as produções atuais.

_____________________________________________

Saiba Mais:

Famosos lamentam a morte de Beatriz Segall; confira a repercussão

Cássia Kis homenageia Beatriz Segall e relembra Odete Roitman, de “Vale Tudo”

Canal Viva homenageia Beatriz Segall após capítulo de “Vale Tudo”

De volta ao Viva, relembre os atores de “Vale Tudo” que já morreram

Por onde anda o elenco de “Vale Tudo”?

Acompanhe muito mais na sua Rede Social preferida:

Instagram: @RD1Oficial

Twitter:   @RD1Oficial

Facebook: @RD1Oficial  


Recomendados para Você:

COMENTÁRIOS - Interaja Você Também! ⬇

Os comentários aqui não refletem a opinião do site e seus autores. Está opção de comentário NÃO publica automaticamente nada em seu Facebook, fique tranquilo!