Autoras e atrizes fazem apelo por reprise de Cama de Gato na Globo

Cama de Gato
Os protagonistas de Cama de Gato: Carmo Dalla Vecchia, Paolla Oliveira, Marcos Palmeira e Camila Pitanga (Imagem: Divulgação / Globo)

Na onda nostálgica causada pela volta de clássicos da dramaturgia na programação da Globo e no catálogo do Globoplay, Camila Pitanga deu início a um movimento nas redes sociais que pede o retorno de Cama de Gato (2009) nas tardes da emissora e ganhou o apoio de outros nomes importantes.

A atriz, que interpretou a mocinha Rose no folhetim exibido há 11 anos, publicou uma foto no Instagram com a ex-colega de elenco Paolla Oliveira com uma sugestão à emissora carioca: “#Tbt para pedir à Rede Globo Cama de Gato no Vale a Pena Ver de Novo”, escreveu.

Paolla também reforçou o pedido para rever Verônica, a sua primeira vilã nas novelas. “Adorooo. Também quero”, comentou.

Com o apelo das protagonistas, as autoras da trama se animaram com a possibilidade e reforçaram o pedido. “Volta Cama de Gato”, escreveu Duca Rachid em seu perfil no Facebook. Thelma Guedes compartilhou a publicação e afirmou que estava “aderindo a campanha”.

Exibida entre outubro de 2009 e abril de 2010 na faixa das 18h, Cama de Gato contou a história de amor entre a faxineira Rose e o rico empresário Gustavo, interpretado por Marcos Palmeira, que só aprende a dar valor aos verdadeiros sentidos da vida quando perde toda a sua fortuna após uma emboscada armada pela própria esposa, Verônica, e pelo amante dela, Roberto (Dudu Azevedo).

Também fizeram parte do elenco nomes como Carmo Dalla Vecchia, Heloísa Périssé, Juliana Paiva, Marcello Novaes, Paula Burlamaqui, Aílton Graça, Emanuelle Araújo, Ângelo Antonio e Berta Loran, e também os saudosos Paulo Goulart, Yoná Magalhães e Rafael Miguel, este último vítima de um trágico assassinato que ganhou os noticiários do país há um ano.

O folhetim contou também com uma equipe de escritores que se tornariam revelações na dramaturgia da Globo nos anos seguintes, como Júlio Fischer, Thereza Falcão e Alessandro Marson, e teve ainda supervisão de texto de João Emanuel Carneiro, à época em seu primeiro compromisso profissional após o término de A Favorita (2008).

A direção-geral foi de Amora Mautner, com direção de núcleo de Ricardo Waddington.

CONTINUE LENDO →

Daniel Ribeiro cobre televisão desde 2010. No RD1, ao longo de três passagens, já foi repórter e colunista. Especializado em fotografia, retorna ao site para assinar uma coluna que virou referência enquanto esteve à frente, a Curto-Circuito. Pode ser encontrado no Twitter através do @danielmiede ou no danielribeiro@rd1.com.br.