Beth Goulart reage ao ver a mãe pela última vez na novela A Vida da Gente, da Globo

Beth Goulart fala sobre Nicette Bruno em A Vida da Gente (Imagem: Reprodução – Globoplay – Instagram / Montagem – RD1)

Beth Goulart voltou a falar sobre a participação marcante de sua mãe, Nicette Bruno (1933 – 2020), na novela A Vida da Gente, produzida em 2011, cuja reprise chegou ao fim na semana passada.

Na ocasião, a atriz postou o trecho de uma cena final, na qual a personagem de Nicette faz uma linda e profunda declaração sobre o tempo e declarou:

“O tempo é fundamental para a compreensão da vida. Meu amor ao tempo e a tudo o que ele representa. Só o amor ultrapassa seus limites, com amor aprendemos o valor da eternidade”.

Na cena, Nicette afirma: “Quem teve o privilégio de viver muito sabe que o tempo é um mestre muito caprichoso. Às vezes suas lições são tão repentinas que quase nos afogam”.

“Às vezes elas se depositam como um conta gotas, diante da avidez de nossas perguntas. E por isso, quem teve o privilégio de viver muito tempo, como tantos amigos aqui, aprendem a olhar com serenidade o turbilhão da vida”, prosseguiu.

“Amores ardentes se extinguem, urgências se acalmam, passos ágeis ralentam… Enfim, tudo muda. Muda o amor, muda as pessoas, muda a família… Só o tempo permanece do mesmo modo, sempre passando”, filosofou.

“E é por isso que eu queria erguer um brinde a ele, que esculpiu no meu rosto a sua marca, da qual tanto me orgulho”, completou. Nos comentários, os fãs puderam se emocionar mais uma vez.

Em recente entrevista ao jornal O Globo, Beth Goulart disse que a assiste nas reprises que estão passando na Globo. Atualmente, Nicette pode ser vista também na reprise de Ti Ti Ti, no Vale a Pena Ver de Novo:

“Isso é uma coisa maravilhosa do artista. Ele consegue transcender a sua própria morte e continuar presente. Ver a minha mãe todos os dias na televisão é uma forma de estar mais perto dela. Principalmente em A Vida da Gente, em que a personagem tem muita semelhança com ela na vida real”.

Na trama, a atriz interpretava a personagem Iná, com um texto delicado e profundo da autora Lícia Manzo, enquanto na trama de Maria Adelaide Amaral, faz parte do núcleo cômico.

“Eu estou tendo que aprender a ser a minha própria mãe. É um processo de fortalecimento interior. Quando perdemos alguém importante na vida, aprendemos a vê-la dentro da gente”, revelou Beth.

“Esse processo todo acaba gerando um amadurecimento inevitável. Às vezes, a gente começa a fazer um projeto sem entender o porquê e nos surpreendemos. Começamos a escrever falando sobre o luto pela morte do meu pai e eu terminei falando também sobre a mamãe”, completou, citando o livro que está escrevendo, chamado Viver é Arte.

Confira:

Lucas Medeiros
Lucas Medeiros é formado em Comunicação Social e escreve sobre o dia a dia da TV.
Veja mais ›