Cardi B polemiza ao impedir filha de ouvir suas músicas e explica o motivo

Cardi B
Cardi B polemiza ao impedir filha de ouvir suas músicas e explica o motivo (Imagem: Reprodução / Instagram)

Cardi B é uma das rappers mais reconhecidas do mundo, colecionando parcerias, prêmios, recordes e muitos feitos. Parte de suas músicas são bem ousadas, com letras sexualmente explícitas e por isso a artista resolveu não apresentar suas músicas à herdeira.

O auê começou com um vídeo da americana ouvindo WAP, seu sucesso mais recente em parceria com Megan Thee Stallion. Quando Kulture, sua filha de 2 anos, apareceu na sala, ela logo tratou de desligar o aparelho de som, parando assim a música.

Um internauta, no Twitter, acusou a rapper de hipocrisia: “Então sua filha não pode ouvir, mas a filha de todo mundo pode?! Okay… Exatamente o que venho dizendo, você tem uma agenda para promover com esse lixo de bunda“.

Cardi B não se abateu e respondeu na lata: “Você precisa parar com isso já! Eu não sou Jojo Siwa! Não faço música para crianças, faço música para adultos. Os pais também são responsáveis pelo que seus filhos ouvem ou veem. Sou uma pessoa muito sexual, mas não estou perto de meus filhos como qualquer outro pai deveria ser“.

Por fim, a estrela deixou claro que não pretende transmitir o seu jeito mais “sexualizado” para os filhos: “Há mães que são strippers. Balançam a bucet# e fazem twerk a noite toda para se divertir… Isso significa que elas fazem isso perto de seus filhos? Não! Pare de fazer disso um debate. É senso comum“.

A música em questão tem trechos como o seguinte: “Tem umas vadias nesta casa [espere]. Eu disse pervertida certificada, sete dias por semana
Bucet# bem molhadinha, eu faço a brincadeira de tirar e botar perder a graça“.

Confira:

Esse conteúdo não pode ser exibido em seu navegador.

Matheus Henrique MenezesMatheus Henrique Menezes
Oficialmente redator desde 2017. Experiências como editor e social media. Já escrevi sobre famosos, TV, novelas, música, reality show, política e pauta LGBTI+. Vídeos complementares no YouTube, no canal Benzatheus.
Veja mais ›