Casagrande e Cléber Machado quebram regra da Globo e exaltam democracia em transmissão

Casagrande
Casagrande e Cléber Machado exaltam democracia em transmissão (Imagem: Reprodução / Globo)

No Dia da Independência, o comentarista Casagrande e o narrador Cléber Machado comentaram sobre as manifestações que ocorreram em todo o país. O tema foi abordado no início da transmissão de Corinthians x Juventude, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro, na Globo.

Assim como fez em suas redes sociais, o ex-jogador citou o slogan da Democracia Corinthiana: “Ganhar ou perder, mas sempre com democracia”. Em seguida, Cléber desejou saúde e democracia aos telespectadores da emissora carioca.

“Não podia deixar, no Dia da Independência, de lembrar do slogan da Democracia Corinthiana: ‘ganhar ou perder, mas sempre com democracia’. Foi a faixa que nós entramos no dia da final do campeonato”, declarou Casagrande.

O narrador, por sua vez, disparou: “Sempre com democracia, mas que belíssima palavra esta: democracia. Como é a frase? Democracia sempre, sempre. (…) Bola em jogo para você ligado na Globo. Para você e para nós, saúde e democracia!”.

Casão já é conhecido por ser um crítico ferrenho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ontem (7), após as manifestações que ocorreram em todo o país, ele usou as suas redes sociais para opinar.

Na imagem, ele aparece segurando a faixa “ganhar ou perder, mas sempre com democracia”, na época em que defendia o Corinthians. “Sempre pela democracia”, escreveu.

Na segunda (6), ele participou do Globo Esporte SP e desabafou sobre a polêmica em Brasil x Argentina. A Anvisa entrou em campo e interrompeu o jogo para impedir que quatro jogadores argentinos participassem da partida.

Os atletas, cabe lembrar, são acusados de terem mentido para a fiscalização. Os jogadores envolvidos na polêmica foram Emiliano Martinez, Emiliano Buendia, Giovani Lo Celso e Cristian Romero.

Na Globo, o comentarista disparou: “Tudo errado. Modificaram formulários e ninguém percebeu isso? Eram jogadores de futebol, não pessoas anônimas. Por que a Anvisa não invadiu o treino da Argentina, no sábado?”.

“Isso é reflexo do péssimo combate à pandemia que teve o Governo Federal e o Ministério da Saúde”, acrescentou o ex-jogador, que é um crítico do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Casagrande completou: “Se esses quatro jogadores fossem pessoas anônimas, onde eles estariam hoje, com esse calor? Nas lindas praias do Brasil, tomando uma caipirinha, uma cerveja, comendo um camarão e à noite vai pra balada. E ninguém ia falar nada. É uma vergonha mundial, igual o Galvão falou, mas em todos os seguimentos da sociedade”.

Luiz Fábio Almeida
Luiz Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e colunista do RD1. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser através do email [email protected]
Veja mais ›