Craque Neto cogita deixar a Band para disputar cargo de senador

Neto
Neto revelou que cogita entrar para a polícia (Imagem: Reprodução / YouTube)

O Craque Neto revelou há alguns meses que já pensou em disputar a presidência do Corinthians e agora cogita entrar numa corrida eleitoral. Respondendo a perguntas de seus seguidores no YouTube, o apresentador da Band afirmou que hoje pensa em ter uma carreira na política.

O titular do programa Os Donos da Bola admitiu que tal ideia é nova para ele, mas que “do jeito que está o mundo”, já considera atuar como senador.

“Nunca pensei em entrar para a política. Sempre achei que não ia acontecer. Mas, do jeito que está o mundo, a gente, talvez sim. Um senador, pode ser?”, cogitou o ex-jogador.

Falando nisso, no começo de agosto, Neto voltou a alfinetar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e fez críticas ao Governo. Isso aconteceu durante uma conversa descontraída com Igão e Mítico, no YouTube.

“Hoje o gás é caro, a carne é cara, vou falar uma coisa pra você, o tanque dele, você dá um peido, se sair uma guerra aqui, vocês vem comigo, vem com o meu fusca aqui, o meu fusca é melhor que o tanque do c*** dele”, disparou o famoso, fazendo referência ao desfile militar que ocorreu nesta semana.

O ex-ídolo do Corinthians seguiu: “Imagina só os caras vindo, vem os russos, os chineses, os americanos pra cima de nós e vem aquele tanque peidando, você corre, você enfia dentro do c*, com aqueles tanques não dá, não dá pra ir pra guerra”.

Questionado no quadro Neto Responde, do canal Craque Neto 10, se aceitaria trabalhar na área de esportes do governo Jair Bolsonaro se fosse convidado, ele reagiu. “Jamais. Nem morto. Jamais. Jamais na minha vida. Jamais. Jamais cumprimentaria. Jamais falaria”, assegurou.

Recentemente, ele também quebrou o protocolo no Os Donos da Bola, da Band, e não poupou críticas contra o desfile de tanques. O apresentador aproveitou o discurso e rasgou elogios ao padre Júlio Lancellotti.

A menção ao sacerdote veio à tona após um puxão de orelha da deputada estadual Janaína Paschoal, que reclamou do trabalho voluntário do padre a favor dos moradores de rua:

“O governo tem obrigação, o Estado tem obrigação mas a gente não cobra, aí vem a Janaína [Paschoal] e diz que o padre não pode dar comida para as pessoas que são viciadas. Quem disse que o viciado é pior de quem não é? Você sabe se o cara teve problema familiar, se é engenheiro, bombeiro, se a mulher largou, se os filhos não querem. Quem disse para você?”.

“Padre Julio, parabéns por ser maravilhoso”, exaltou ao vivo. Em seguida, Neto detonou Milton Ribeiro, ministro da Educação. “Se a gente tem um ministro da Educação que acha que a universidade tem que ser para poucas pessoas, que país que eu estou?”, questionou.

MAIS LIDAS

Luiz Fábio Almeida
Luiz Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e colunista do RD1. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser encontrado através do email [email protected]
Veja mais ›