Dança dos Famosos na pandemia mostra que Domingão se tornou refém de formatos

Marcelo Mello Jr., vencedor da Dança dos Famosos em 2014
Performance de Marcelo Mello Jr, vencedor da Dança dos Famosos em 2014 (Imagem: Zé Paulo Cardeal / Globo)

Um dos quadros de maior sucesso e faturamento do Domingão do Faustão, a Dança dos Famosos chega à sua 17ª temporada em 2020. Mas a insistência da Globo em manter a sua exibição mesmo durante a pandemia parece ser uma decisão, no mínimo, controversa.

Afinal de contas, a dança é uma atividade que, inevitavelmente, requer contato físico. Por mais precauções que a emissora se proponha a adotar, como por exemplo, fretar um avião para o elenco, os participantes não estarão completamente imunes ao risco de contrair coronavírus.

Mesmo porque, a projeção inicial é a de que a maratona de dança permaneça no ar até dezembro. E, até onde se sabe, os famosos e bailarinos não permanecerão confinados nesse período. Em outras palavras, todos continuarão tendo contato com outras pessoas, o que pode facilitar a disseminação da doença.

Dificuldade em fechar o elenco da Dança dos Famosos

Não à toa, a emissora enfrentou dificuldades para fechar o elenco deste ano. Para o próximo domingo (30), a Globo promete revelar o nome dos primeiros participantes que aceitaram o desafio.

Por ser a rede de televisão que mais defendeu o isolamento social, a decisão da Globo em manter a Dança dos Famosos no ar chega a ser incoerente. Afinal de contas, não se trata de uma atividade interrompida – como as gravações de novelas ou a temporada do The Voice Kids, por exemplo. Não há necessidade de começar uma nova temporada em plena pandemia.

A manutenção da disputa também é o principal motivo pelo qual Faustão – mesmo estando no grupo de risco – retornou aos estúdios.

Acordos e compromissos comerciais à parte, era melhor renegociar com o patrocinador. Deixar para o ano que vem, seria o mais sensato. Até lá, valeria mais a pena rever performances marcantes no Globoplay.

A constatação de que o Domingão se tornou refém de formatos

Inserida em um contexto mais amplo, a Dança dos Famosos na pandemia também demonstra, basicamente, que o Domingão – assim como vários outros programas de auditório – se tornou refém de formatos.

Já há algum tempo a atração aposta no revezamento entre Ding Dong, Show dos Famosos e Dança dos Famosos. Na ausência de um desses quadros, a produção recorre ao Arquivo Confidencial, como aconteceu na última semana.

A pandemia deu à equipe a oportunidade de se reinventar. Ora, já que a Dança dos Famosos é um formato longo, que requer contato físico, por que não buscar uma novidade? Seria válido até mesmo o resgate de algum outro quadro de sucesso do programa, que oferecesse menor perigo de transmissão.

Mas a direção preferiu o caminho mais fácil. Pegar a receita pronta, de sucesso, e usá-la de novo. Ainda que, dessa vez, isso represente risco aos envolvidos. Uma pena.

CONTINUE LENDO →
Piero Vergílio é jornalista profissional desde 2006. Já trabalhou em revistas de entretenimento no interior de SP e teve passagens pelo próprio RD1. Em tempos de redes sociais, criou um perfil (@jornalistavetv) para comentar TV pelo Twitter e interagir com outros fãs do veículo. Agora, volta ao RD1 com a missão de publicar novidades sobre a programação sem o limite de 280 caracteres.