Daniela Lima e ministro de Bolsonaro batem boca ao vivo na CNN Brasil

Daniela Lima
Daniela Lima e ministro de Bolsonaro trocaram farpas (Imagem: Reprodução – CNN Brasil / Montagem – RD1)

Os ânimos ficaram exaltados em entrevista do ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, para o CNN 360º. O político e a âncora do telejornal, Daniela Lima, bateram boca ao vivo, nesta quarta-feira (3).

Tudo aconteceu enquanto o integrante do Governo Bolsonaro explicava a portaria, editada pela pasta, que proíbe a demissão de trabalhadores que não se vacinaram contra a Covid-19. A apresentadora chegou a rebater o convidado sobre falas em que ele duvidou da vacinação.

Num dos momentos da entrevista, o ministro comentou: “O que estamos tentando impedir aqui [com a portaria] é demissão pelo direito que a pessoa tem. E se a pessoa tiver predisposição a trombose, tem algumas dessas vacinas que usam RNA que todos os médicos sabem que elas podem ser indutoras de trombos. Então toma a vacina e morre?”.

Daniela, então, decidiu rebater o convidado. “Não, ministro. Eu tenho uma preocupação muito grande que o senhor tenha o direito e, mais do que merecido, o espaço para defender a portaria que editou, mas a minha preocupação é não desinformar sobre vacina. Quem tem doença grave sabe que precisa ouvir o médico antes de tomar qualquer tipo de medicação, não só a vacina”, iniciou.

“Sobre o Reino Unido, que o senhor citou, nós entrevistamos aqui um médico do Imperial College, semana passada, exatamente para explicar o que está acontecendo. O Reino Unido tem cerca de 65% da população completamente vacinada, com duas duas, existem casos de Covid, uma subida, mas não tem alta de internação, de hospitalização e nem de morte”, seguiu a âncora, enquanto Onyx Lorenzoni tentava falar.

A jornalista acrescentou: “A imunidade de rebanho não vem com a doença, mas com a vacina em 75%. A vacina está freando as mortes”.

O ministro de Bolsonaro rebateu o discurso da âncora da CNN Brasil: “Tu dissestes e reconhecestes que as pessoas estão adoecendo na Inglaterra. A pessoa adoece e a vacina, teoricamente como tu está dizendo, está diminuindo o número de internações. Mas a pessoa que está com a vacina contagia ou não? É óbvio que contagia”.

“Sim, por isso que advogar para as pessoas não estarem vacinadas é basicamente abrir uma porta para a morte. É advogar para que as pessoas tenham o direito de fazer uma roleta-russa. Sim, ministro, porque a vacina é um cinto de segurança. Ela não é uma licença para beber e dar com a cara no muro, obviamente. Ela não é a cura, mas previne os sintomas graves e mortes. Defender a não vacinação é defender que a pessoa possa andar com um revolve na cabeça”, disparou Daniela Lima.

O convidado reagiu: “Minha senhora, onde eu defendi na portaria a não vacinação? A senhora está querendo colocar a sua narrativa na minha conduto, isso eu não admito. A senhora está sendo incorreta”.

Alterado, ele ainda disparou: “Eu não estou errado, sabe o por quê? Porque eu defendo princípios, e a senhora defende uma narrativa. Esse é o equívoco da senhora e do seu veículo, defender narrativos”.

“Claro que eu não estou, nem a CNN, defendendo demissão. O governo diz que é liberal e aí o governo liberal está fazendo uma interferência de empresas privadas”, completou a jornalista.

Esse conteúdo não pode ser exibido em seu navegador.

MAIS LIDAS

Luiz Fábio Almeida
Luiz Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e colunista do RD1. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser encontrado através do email [email protected]
Veja mais ›