Ex-BBB Gyselle Soares reage sobre críticas por interpretar escrava negra

Gyselle Soares
Ex-BBB Gyselle Soares disparou contra críticas por interpretar escrava negra (Imagem: Reprodução / Instagram)

A ex-BBB Gyselle Soares causou polêmica recentemente após ter sido escolhida para interpretar a escrava Esperança Garcia, considerada primeira advogada do Piauí, na peça Uma Escrava Chamada Esperança. Ela, então, rebateu as críticas e desabafou.

Muitos ativistas do movimento negro condenaram a escolha de uma atriz com a pele mais clara do que a verdadeira Esperança. Ao Splash, ela garantiu que refletiu sobre as críticas, mas que não tem intenção de ofender ninguém com seu personagem no espetáculo.

“A crítica é sempre bem vinda. É claro que quando fazemos um personagem, a gente não tem cor. Eu me considero negra. Mas não posso desrespeitar as opiniões de todos. Não passei por certos momentos e dificuldades que tantos passam”, desabafou.

Gyselle Soares ainda refletiu: “Eu entendo a polêmica, mas a peça não fala de cores. Fala de inclusão, de todos nos amarmos, nos respeitarmos. Entendo perfeitamente essas críticas, não quero ferir ninguém. Me fizeram repensar. Se eu vejo que não é bacana, não seguirei”.

“Também sofri preconceito, todo dia quebramos barreiras, isso torna a gente mais forte. Venci mais diante dos meus fracassos do que nas vitórias”, completou a ex-BBB.

No papo, ela ainda contou os desafios que enfrentou morando anos na Europa, muitos relatados em seu livro Bonjour! Como Fazer Uma Carreira de Sucesso Fora do Brasil, lançado em abril, e também avalia as diferenças entre participar do Big Brother em 2008 e agora.

“Nunca quis morar fora novamente. Mas sofri preconceito pelo meu sotaque forte. Se tivesse participado do “BBB” hoje, não precisaria ter voltado para França e ficado longe da família. Foi um fenômeno, uma explosão. As pessoas entram para ter seguidores. O que você ganha depois é mais do que o prêmio. Seria bilionária em seis meses!”, garantiu.

Gyselle conseguiu participar de diversos filmes e séries na França e inclusive tem formação profissional de atriz na Europa. Mas passou por perrengues por lá.

“Quando estamos numa cultura que não é a nossa, precisamos nos adaptar. Não dá para ser brasileiro. Algo que eu sofri muito lá é não ter cultura. Tive que estudar muito, entender muita coisa. A carreira de sucesso não vem por ser bonita, você tem que se informar”, afirmou.

Ela completou: “Com meu primeiro cachê de atriz, paguei por aulas de francês, investi em mim. Depois, apareceram vários outros projetos. Não dá para ter medo de errar e começar do zero”.

MAIS LIDAS

Da Redação
A Redação do RD1 é composta por especialistas quando o assunto é audiência da TV, novelas, famosos e notícias da TV.  Conta com jornalistas que são referência há mais de 10 anos na repercussão de assuntos televisivos, referenciados e reconhecidos por famosos, profissionais da área e pelo público. Apura e publica diariamente dezenas de notícias consumidas por milhões de pessoas semanalmente. Conheça a equipe.
Veja mais ›