Famosas não precisam da Globo para faturar e colunista revela quanto elas ganham na web

Bruna Marquezine
Bruna Marquezine e Marina Ruy Barbosa cresceram na Globo (Imagem: Reprodução / Instagram)

Foi-se o tempo que os famosos dependiam exclusivamente da Globo para fazer sucesso. Hoje, artistas como Bruna Marquezine, Deborah Secco e Marina Ruy Barbosa faturam muito mais do que antes, só que na internet.

De acordo com o colunista Flávio Ricco, elas cobram por apenas um post nas redes sociais algo em torno de 250 mil, dependendo de qual seja a marca. Dessa forma, por mês, o faturamento fica entre 800 mil e 1 milhão.

Isso porque, ao longo das quatro semanas, elas fazem de oito a dez posts como esses, que ficam “camuflados” entre o conteúdo cotidiano que elas oferecem aos seus seguidores, atingindo grandes impressões de audiência.

E tudo é feito com profissionalismo, dentro de uma série de exigências, como cabeleireiros, manicures e adereços caríssimos. Paolla Oliveira e Juliana Paes também estão entre as que mais faturam com isso.

Assim, elas foram ganhando a independência total da TV, que serviu apenas para trazê-las ao estrelato e aumentar o passe, quando estão no ar em alguma novela de grande sucesso.

Para poder associar seus nomes com as marcas, elas também se certificam de que o contrato não refletirá negativamente na imagem pessoal nem das demais marcas que se associaram a elas em parcerias maiores.

Esse esquema é superior ao dos artistas menores, que não possuem ligação com a Globo, por exemplo, e precisam da mídia “orgânica” das redes sociais. Foi aí que entrou o mercado dos famosos perfis de fofoca.

De acordo com o colunista Leo Dias, por trás deles, há uma verdadeira máfia. Segundo a reportagem, esses perfis possuem força suficiente para levantar ou derrubar qualquer famoso, chegando a cobrar até R$ 200 mil por notícia.

Eles assumem o lugar da Globo, mas cobram pelas publicações positivas sobre os famosos. Exemplo disso foi quando uma atriz da emissora quis divulgar a sua transformação de cabelo nas redes sociais.

A banca digital que comanda esses perfis cobrou cerca de R$ 20 mil. O valor cobrado para os famosos chega até R$ 50 mil. Para publicidade com marcas, porém, os valores podem chegar a R$ 200 mil.

Famosos que sempre aparecem nessas páginas são os que mais pagam. As gravadoras que querem bombar o lançamento dos seus artistas também fazem esse tipo de acordo com os perfis.

O objetivo é fazer as notícias parecerem mais relevantes do que realmente são e irem parar nos grandes sites de forma orgânica. Há famosos que fecham parcerias para, assim, conquistar mais público.

Consequentemente, eles ganham novos seguidores e audiência para os seus perfis comerciais cobrarem mais caro. Leo Dias ainda fez questão de expor quais perfis fazem parte do tal cartel:

“Estão: Tricotei, Central da Fama, Gossip do Dia, MigaSuaLoca, Subcelebrities, XuxaNaNave, Cutucadas, Babados, Rainha Matos, GarotxDoBlog, Alfinetei, Nazaré Amarga, Choquei e Fofoquei”.

Murilo Henare é o responsável pela Banca Digital e, ao ser bombardeado com as críticas dos internautas que descobriram tudo, resolveu desativar o seu perfil no Instagram.

Um dos internautas que o criticaram, por exemplo, disparou:

“Isso é gravíssimo. Tem que ser investigado e punido. Essas páginas, por dinheiro, incitam o ódio e todo esse linchamento virtual, que vem de pessoas mais despreparadas ainda que acham que pode comentar, julgar e condenar em tudo, sem nem saber se é fato ou fake. Esse BBB esteve aí pra mostrar isso. Vimos pessoas sendo condenadas… Publicações tendenciosas que levam o rebanho a sair comentando sem responsabilidade”.

MAIS LIDAS

Da Redação
A Redação do RD1 é composta por especialistas quando o assunto é audiência da TV, novelas, famosos e notícias da TV.  Conta com jornalistas que são referência há mais de 10 anos na repercussão de assuntos televisivos, referenciados e reconhecidos por famosos, profissionais da área e pelo público. Apura e publica diariamente dezenas de notícias consumidas por milhões de pessoas semanalmente. Conheça a equipe.
Veja mais ›