Fora da TV, Boris Casoy entra na faculdade aos 80 anos

Boris Casoy
Boris Casoy ingressa na faculdade de veterinária (Imagem: Reprodução / RedeTV!)

Boris Casoy jogou um balde de água fria nos pessimistas de plantão e mostrou que ter força de vontade é fundamental para uma mudança radical na vida. O jornalista de 80 anos, sendo 65 deles de profissão, entrou para a faculdade de veterinária em São Paulo.

O veterano da TV se matriculou no período noturno. Por causa da pandemia do coronavírus, as aulas só foram permitidas à distância: “Vou manter todos os meus compromissos jornalísticos, inclusive o Jornal do Boris”.

Fora do ar desde sua saída da RedeTV!, Boris Casoy investiu o seu tempo no YouTube. Ele lançou um telejornal diário com comentários sobre política, economia e esporte.

Em recente entrevista a Pedro Bial, na Globo, o âncora comentou sobre o seu apoio ao golpe de 1964: “Minha mãe já estava muito doente, ela acabou falecendo em agosto de 64, mas ela dizia que parecia a Rússia, olha esse movimento, esse comício. Essa era uma influência sentimental. Agora o que me levou a apoiar 64, eu tinha 23 anos, estava começando a faculdade, era uma profunda convicção democrática. Eu tinha pânico do comunismo”.

“Já tinha acontecido em Cuba, tinha sinais, muita gente que queria aquilo, certamente iludida, imaginando que era igualdade e fraternidade, uma tremenda ilusão. Tinha pânico daquilo”, admitiu.

Boris Casoy percebeu o lado obscuro do suposto lado democrático tempos depois. “O que era na minha cabeça de golpe de 64? Era uma limpeza. O golpe se dizia, a gente chamava de revolução, contra a corrupção e a favor da democracia. Essas duas coisas foram sendo devagarzinho abandonadas, havia uma promessa de realização de eleições, apareceram os candidatos e as coisas foram se complicando, a gente ficou sabendo da tortura”, relembrou.

Para o novo estudante de veterinária, Lula “foi liberado para ser candidato a presidência da república depois de tudo que ele aprontou, de tudo que o PT aprontou”, e frisou: “As pessoas estão sendo soltas e de repente você olha que algumas pessoas e empresas podem até ser indenizadas”.

Paulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email [email protected].
Veja mais ›