Gloria Perez e Jayme Monjardim falam sobre o retorno de O Clone no Vale a Pena Ver de Novo

Gloria Perez
Gloria Perez abriu o jogo e falou o que pensa sobre o reprise de seu folhetim (Imagem: Divulgação – Globo / Montagem – RD1)

Após 20 anos da exibição original, O Clone vai ser reprisada no Vale a Pena Ver de Novo. O folhetim de Gloria Perez vai ocupar o lugar de Tititi a partir do dia 4 de outubro.

Com direção de Jayme Monjardim, a trama aborda uma história que mistura clonagem humana e cultura árabe, tendo como fio condutor o amor proibido entre a muçulmana Jade, personagem de Giovanna Antonelli, e o brasileiro Lucas, vivido por Murilo Benício.

Outros temas também são abordados na história, responsável pelo sucesso de Gloria Perez. Entre eles, o consumo de drogas, abordado através dos personagens Mel (Débora Falabella), Nando (Thiago Fragoso) e Lobato (Osmar Prado).

Característica das produções da autora, o núcleo de humor fica concentrado no bar de Dona Jura (Solange Couto), o grande ponto de encontro dos moradores do bairro de São Cristóvão, na Zona Norte do Rio, e espaço para participação de personalidades.

Os bordões de diversos personagens divertiram o público e ganharam as ruas, como “Né brinquedo não!”, de Dona Jura, e “Cada mergulho é um flash”, de Dona Odete, vivida pela saudosa Mara Manzan.

Ao falar sobre a reprise da novela, Gloria Perez se mostrou empolgada: “Sinto muita alegria em revisitar esse universo. E acho que esse é um dos motivos que levam o público a gostar tanto de rever novelas. Durante um tempo das nossas vidas convivemos com os dramas daqueles personagens, eles se tornam íntimos de nós. Revê-los é revisitar também um tempo do nosso passado. O Clone foi um trabalho maravilhoso de fazer, era uma equipe tão unida, tão apaixonada… Isso transparece na tela“.

Já o diretor Monjardim deixou claro que o projeto foi um dos trabalhos que mais impactaram sua trajetória. “Essa novela é um marco na minha vida, sempre digo que os trabalhos são como filhos, e alguns deles como O Clone e Terra Nostra, por exemplo, vivi de forma muito intensa, eles irão estar comigo para sempre no coração. O Clone é uma novela mágica e é muito bom que ela esteja de volta. Me emociono assistindo às chamadas da programação“, afirmou.

Confira entrevista completa com Gloria Perez:

O que sentiu quando soube que ‘O Clone’ iria ao ar novamente 20 anos após a exibição original?

Alegria, muita alegria de revisitar esse universo. E acho que esse é um dos motivos que levam o público a gostar tanto de rever novelas. Durante um tempo das nossas vidas convivemos com os dramas daqueles personagens, eles se tornam íntimos de nós. Revê-los é revisitar também um tempo do nosso passado. O Clone foi um trabalho maravilhoso de fazer, era uma equipe tão unida, tão apaixonada. Isso transparece na tela.

Relembrei um pouco o processo de pesquisa para escrever a novela, como se aprofundou na cultura muçulmana e no tema da clonagem humana.
Fiquei 20 dias no Egito e também cerca de 20 no Marrocos, convivendo com pessoas típicas do local. Era isso o que eu queria buscar: o muçulmano médio.
Fiz amizade com o guia que nos acompanhou na viagem e convivi muito com a família dele, com os amigos dele, de modo a poder observar os costumes, as maneiras, a forma como viam a si próprios e como nos viam também. Por outro lado, estive em diálogo constante com o sheik Jihad, que me presenteou com um Alcorão. Li o Alcorão e dali retirei os ensinamentos do progressista tio Ali (Stênio Garcia) e do fundamentalista tio Abdul (Sebastião Vasconcellos). Tivemos sempre o maior cuidado para não ferir suscetibilidades religiosas.

O que a levou a unir os dois assuntos – cultura muçulmana e clonagem humana – em uma mesma história?

O ponto de partida foi a ovelhinha Dolly. Se era possível clonar uma ovelha, não seria possível clonar um ser humano? Quis falar dos conflitos de identidade inerentes a uma experiência assim. Como se sentiria uma pessoa feita em laboratório como cópia de outra? Quis falar dos limites éticos da ciência, e para isso resgatei duas personagens icônicas de ‘Barriga de Aluguel’: o humanista Dr. Molina (Mário Lago) e a transgressora Miss Brown (Beatriz Segall). Para se contrapor a esse ocidente que desafiava Deus criando a vida, fui buscar uma sociedade inteiramente submetida a Deus: os muçulmanos. Por isso eles entraram na trama.

A novela também abordou o uso de drogas, que infelizmente ainda assombra muitas famílias. Como foi a pesquisa para retratar o tema e o resultado da campanha socioeducativa?

Meu método é antropológico: chego perto, convivo. Percebia que tudo o que sabia sobre dependência química era a visão da policia, dos médicos. E quis observar os dependentes. Pensar a campanha do ponto de vista deles. Essa foi a chave de ela ter sido tão bem-sucedida. Frequentei muitas clínicas, conversei com pessoas internadas e com outras que tinham conseguido superar a dependência. A trajetória de Mel (Débora Falabella) foi intercalada com depoimentos de dependentes, internados ou não, contando sua experiência, seu fundo de poço. E também de seus familiares. Era o recado duro e sofrido de quem vivia o problema. E foi imensa a escuta. A campanha recebeu prêmio da Sociedade de Medicina e repercutiu até no exterior: nos Estados Unidos ganhamos prêmios do FBI e do DEA.

Os bordões ganharam as ruas e nunca foram esquecidos. Como foi a criação deles?

Os bordões nascem da escuta. De andar na rua, de frequentar ambientes populares, como a gafieira, por exemplo.

Como você acredita que a novela será recebida agora, já que nossa sociedade está em constante mudança?

O ser humano é essencialmente o mesmo, desde que o mundo é mundo. Seus instintos básicos estão ali. Cada época valoriza algumas dessas características e reprime outras, mas a essência não muda. É nisso que eu foco. Acredito que quando você consegue tocar o humano, as histórias se tornam atemporais. Podem ser compreendidas em qualquer época e por culturas muito diferentes.

O que O Clone representa em sua tão bem-sucedida carreira?

Representa muito. Escrever é uma maneira de buscar compreender o universo que você retrata. De ampliar sua visão de mundo. O Clone me deu isso. E me encheu de emoção pelas vidas que foi capaz de tocar, fazendo com que tantos dependentes químicos buscassem tratamento por vontade própria, que suas famílias compreendessem o que se passava com eles, e que muitas pessoas, impressionadas com a crueza com que a história foi contada, tenham desistido de experimentar a droga.

Imaginava que Dona Jura e o núcleo de São Cristóvão ficaria tão popular? Para quais personagens ou núcleos mais gostava de escrever?

Ah, imaginava sim. Dona Jura é a cara da mulher brasileira que toca a vida sozinha. Não tinha preferencias por nenhum núcleo. Todos eles eram essenciais para o resultado final do quadro que eu queria mostrar.

Guinho Santos
Guinho Santos é formado em Jornalismo e escreve sobre o universo das celebridades há dez anos. Reality show, bastidores da TV e novelas também são seus pontos fortes. Além disso, possui experiência como Social Media e apresentador. Seu canal na web é através do Instagram @guinhosantos__.
Veja mais ›