Jornal da Record exibe denúncia contra Lula e PT; ex-presidente refuta versão do canal

Jornal da Record
Jornal da Record repercute informação de jornalista espanhola contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Imagem: Reprodução – Record / Montagem – RD1)

O Jornal da Record do último sábado (9) exibiu uma reportagem sobre uma denúncia feita pela jornalista espanhola Cristina Seguí envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o PT. Segundo ela, “o narcotráfico patrocinou partidos de esquerda na Europa e na América do Sul”.

O principal telejornal da Record usou a denúncia dentro de uma reportagem sobre a prisão do general venezuelano Hugo Carvajal, ex-chefe dos serviços de inteligência da Venezuela no governo de Hugo Chávez (1999-2013).

A espanhola e uma das fundadoras do Vox, partido de extrema-direita, fez a grave acusação e citou o Partido dos Trabalhadores. Para a jornalista, o caso colocou luz em atividades supostamente criminosas do Foro de São Paulo.

O Jornal da Record informou que, “para receber e repassar dinheiro do narcotráfico para os regimes comunistas, foi criado um centro de estudos políticos e sociais em Valência, na Espanha”.

Seguí completou: “Em teoria, faturava por supostos trabalhos de investigação e de assessoria aos regimes da América Ibérica. Também Dilma Rousseff e Lula faturaram esse dinheiro”.

O JR disse que procurou o ex-presidente Lula, mas não obteve resposta. A assessoria do político desmentiu a informação. “O ex-presidente Lula foi investigado, teve todos os seus sigilos quebrados e nenhuma irregularidade foi encontrada. Venceu na justiça todas as falsas acusações feitas contra ele. Lula não tem nenhuma condenação e tem plenos direitos políticos”, rebateu.

Depois da manifestação do presidente, a Record mudou o discurso. O canal esclareceu que não colocou a posição de Lula na matéria, pois “não fazia referência às acusações”.

Para José Chrispiniano, assessor do líder da esquerda, a primeira frase da nota foi uma reposta às acusações veiculadas pelo Jornal da Record:

“A emissora veiculou uma acusação sem provas, sem nenhuma base, feita por uma agente política de um outro país com vinculação à extrema direita. Se a Record quisesse mais informações, podia pedir”.

Aliada do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a Record foi a primeira emissora de sinal aberto do país que movimentou a sua equipe de reportagem para uma matéria contra Lula, líder nas pesquisas de intenções de voto para a eleição de 2022.

Confira a nota divulgada no site do PT:

“A Secretaria Executiva do Foro de São Paulo rechaça a reprodução de acusações falsas e sem fundamento a respeito do Foro de São Paulo, na reportagem da emissora brasileira Rede Record em 9 de outubro de 2021.

O Foro de São Paulo reúne partidos e movimentos políticos de 27 países da América Latina e Caribe, que defendem a transformação pacífica da região em uma sociedade mais justa para os povos e nações de nosso continente.

Foi assim denominado porque sua primeira reunião foi realizada na cidade de São Paulo, em 1990, com o propósito de estimular a defesa da democracia e a participação dos partidos de esquerda nos processos eleitorais de seus países.

Desde sua origem, o Foro de São Paulo rejeita a violência na política e em qualquer esfera da sociedade. Não tem e nunca teve qualquer relação com o crime, o tráfico ilegal, grupos armados ou milícias. Defendemos a cooperação internacional, a paz, a integração regional e o multilateralismo.

Crime é levantar acusações falsas, sem provas, e difundi-las de maneira irresponsável, como fez a Rede Record neste sábado, dia 9 de outubro de 2021, ao reproduzir entrevista de pessoa processada na Espanha por espalhar fake news contra adversários políticos.

São Paulo, 10 de outubro de 2021.”

Esse conteúdo não pode ser exibido em seu navegador.

MAIS LIDAS

Paulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email [email protected].
Veja mais ›