Letícia Sabatella festeja volta de O Clone em Vale a Pena Ver de Novo

O Clone
Letícia Sabatella (Latiffa) em O Clone; novela volta à tela da Globo nesta segunda-feira (4), através do Vale a Pena Ver de Novo (Imagem: João Miguel Júnior / Globo)

A partir de segunda-feira (4), Letícia Sabatella vai ocupar a tela da Globo em dois momentos. Além de Nos Tempos do Imperador, onde interpreta Teresa Cristina, a atriz marcará presença em Vale a Pena Ver de Novo com a reprise de O Clone (2001). Em entrevista, a atriz exaltou a personagem Latiffa, celebrou as parcerias com Gloria Perez e Jayme Monjardim e comemorou o sucesso da novela, especialmente no exterior.

Eu fui para a Rússia e era reconhecida na rua. Pessoas aprenderam a falar português na Rússia por causa de ‘O Clone’. Eu tenho seguidores russos, já recebi presentes. É muito lindo isso. Não só na Rússia, mas em outros países, é um fenômeno”, ressalta Letícia. “Ainda continua tendo muita repercussão em várias línguas, né? Então, parece que não deixou de passar. No mundo inteiro está sempre reprisando, e é uma delícia de rever. Inspira a gente”, completa.

O êxito passa, claro, por um bom enredo. Sabatella comenta: A Gloria Perez segue a tradição das nossas grandes autoras, como Janete Clair. A criatividade dela é incrível. Na época eu pensava: ‘Meu Deus, como consegue isso?’. Juntar clonagem, universo muçulmano. Abordar questões fundamentalistas com questões da ciência com tanta sensibilidade. Eu percebi que as pessoas se encantaram e viram a humanidade daquele povo”. A atriz complementa:

Ter encontrado a Gloria e o Jayme foi maravilhoso, porque depois eu pude repetir trabalhos com eles, fiz ‘Caminhos das Índias’, com a Gloria, e ‘Tempo de Amar’ com o Jayme, trabalhos que amei. Fiz outros trabalhos com o Jayme também. ‘O Clone’ foi um marco, sem dúvida”.

Outro parceiro foi Antonio Calloni, com que Letícia Sabatella havia trabalhado em O Dono do Mundo (1991). O ator vivia Mohamed, marido de Latiffa. “Ele é um parceiro incrível. É um dos atores que eu mais admiro no Brasil e no mundo. É um ator completo e uma pessoa que eu adoro, de uma inteligência, uma sagacidade, uma delicadeza, uma gentileza”, enaltece ela, lembrando que buscou, em O Clone, retribuir a acolhida de Calloni no primeiro trabalho juntos.

Letícia também guarda lembranças das aulas de dança do ventre e de culinária, além do entendimento do Alcorão, o livro sagrado dos muçulmanos. “Eu aprendi o texto dos primeiros 20 capítulos em árabe, fui aprendendo o sotaque”, recorda. “Foi uma trajetória que me deu muitas alegrias. O Marcus Vianna, que compôs músicas da trilha, também me chamou para gravarmos o livro dos poemas místicos do Oriente, e até hoje as pessoas me agradecem por esse CD”, celebra.

Sobre o trabalho atual, a atriz também só tem a comemorar. “Eu tenho um entusiasmo, eu trabalho através dele e tenho tido o privilégio de fazer grandes personagens sempre, como foi recentemente em ‘Tempo de Amar’, como foi em ‘Órfãos da Terra’. E agora, fazendo a Imperatriz Teresa Cristina, é uma grande descoberta. Uma mulher que na história foi tão silenciada. Eu acho que é um momento especial”, conclui.

Duh Secco
Duh Secco é  "telemaníaco" desde criancinha. Em 2014, criou o blog Vivo no Viva, repercutindo novelas e demais atrações do Canal Viva. Foi contratado pela Globosat no ano seguinte. Integra o time do RD1 desde 2016, nas funções de repórter e colunista. Também está nas redes sociais e no YouTube (@DuhSecco), sempre reverenciando a história da TV e comentando as produções atuais.
Veja mais ›