Maurício Souza revela negociação com outros times após demissão por fala polêmica

Maurício Souza
Maurício Souza foi demitido do Minas Tênis Clube (Imagem: Reprodução / Instagram)

Demitido do Minas Tênis Clube acusado de homofobia, Maurício Souza já tem convites para integrar outros times. O jogador de vôlei revelou ao jornalista Thiago Asmar, em uma live no YouTube, que recebeu algumas propostas no Brasil e até mesmo no fora:

“Estamos com algumas opções aqui no Brasil e no exterior. Meu empresário está com medo de eu ficar aqui no Brasil. Talvez, a melhor opção seja sair do país mesmo. Aqui no Brasil, qualquer time que eu vá vai ter pressão da ‘galerinha da lacrolândia’”.

Maurício ainda explicou que outro fator que tem ponderado escolher jogar no exterior seria justamente para não prejudicar os colegas da equipe que ele viria a integrar:

“Eu também tenho medo de ficar aqui no Brasil. Não por mim, mas pelos meus colegas de equipe. Se o time não tiver uma estrutura muito forte junto com os patrocinadores para aguentar essa pressão, vai ser difícil. Como que o grupo lidaria com isso? Como que seria a minha aceitação dentro desse grupo? Então, prefiro nem pagar para ver”.

O atleta, por sinal, vai processar a Globo, Felipe Andreoli e Walter Casagrande. Segundo informações do Notícias da TV, o advogado do atleta, Newton Dias, afirmou que o jogador de vôlei encontra-se abalado após ser detonado:

“No meu entendimento, o dano causado à imagem do Mauricio já é irreversível. No caso do Mauricio, o que ele fez foi uma reflexão. Não existe nenhum discurso de ódio, que inferiorize orientação sexual, nada disso. O que existiu foi uma reação de pessoas que estão imputando a ele o crime de homofobia”.

O processo, segundo Dias, será por danos morais, calúnia, difamação e injúria. A defesa de Maurício ainda revelou que iniciou um levantamento sobre as acusações feitas por alguns internautas, que também serão levadas à Justiça:

“Todas as pessoas que seguiram o tom de Casagrande e Andreoli, possivelmente vão ser interpostas ações também. No crime de calúnia, injúria e difamação, inverte-se o ônus da prova. Então, eles têm que provar que ele [Souza] é homofóbico. Todos que cravaram, com essa palavra, que ele foi homofóbico, vão responder judicialmente”.

“Hoje, as vidas são destruídas na internet do dia para a noite. Ele [Souza] está muito triste, mas está bem confiante de que não fez nada demais. Inclusive, já temos testemunhas da comunidade LGBTQIA+ avaliando a conduta de Maurício como pessoa. Nunca houve nenhum caso dele ser homofóbico na Seleção [Brasileira de Vôlei] ou no Minas Tênis Clube. Ele está resiliente, na fase de assimilação. Ele vai ter que reconstruir a carreira”, finalizou.

Veja a entrevista completa:

Esse conteúdo não pode ser exibido em seu navegador.

MAIS LIDAS

Guinho Santos
Guinho Santos é formado em Jornalismo e escreve sobre o universo das celebridades há dez anos. Reality show, bastidores da TV e novelas também são seus pontos fortes. Além disso, possui experiência como Social Media e apresentador. Seu canal na web é através do Instagram @guinhosantos__.
Veja mais ›