Não vingaram: 7 ideias de “Deus Salve o Rei” que acabaram ficando pelo caminho

[nextpage title=”Próximo” ]

Marina Ruy Barbosa vive Amália em “Deus Salve o Rei” (Imagem: Divulgação / Globo)

Com término programado para esta segunda-feira (31), “Deus Salve o Rei” ficará marcada nem tanto pela audiência boa ou ruim, mas pelos bastidores bastante turbulentos que teve. Rejeitada pelo público tradicional do horário, acostumado às comédias rasgadas, a obra medieval de Daniel Adjafre sofreu inúmeros ajustes para se adequar melhor ao gosto popular.

Boa parte das mudanças que a novela sofreu em relação à sua sinopse original levam a assinatura de Ricardo Linhares, nomeado por Silvio de Abreu como supervisor de texto do folhetim, com autorização para ordenar as correções que julgasse necessárias. Seja como for, o fato é que a novela “Deus Salve o Rei” a que assistimos na tela da Globo acabou bem diferente da trama que Adjafre idealizou inicialmente.

A seguir, listamos algumas das principais ideias criadas para agitar o folhetim, mas que, por um motivo ou por outro, acabaram não vingando ou mesmo não indo ao ar.

[/nextpage][nextpage title=”Próximo” ]

Cássio (Caio Blat) morreu antes do previsto na sinopse (Imagem: Divulgação / Globo)

1- Cássio, o “talarico”

Estava prevista desde a sinopse de “Deus Salve o Rei” a criação de um triângulo amoroso entre os protagonistas, Amália (Marina Ruy Barbosa) e Afonso (Rômulo Estrela), com Cássio (Caio Blat), chefe da guarda real de Montemor. Amigo pessoal e fiel escudeiro de Afonso, Cássio num dado momento veria essa cumplicidade ser abalada ao se apaixonar pela namorada do futuro rei.

A ideia, porém, viu-se impossibilitada de ser levada adiante quando Aguinaldo Silva reivindicou a liberação do ator para contar com sua presença no elenco de “O Sétimo Guardião”, sua próxima novela no horário nobre da Globo – que, por sinal, estreia em novembro no lugar de “Segundo Sol”.

Já incumbido de promover mudanças no texto da trama medieval, Ricardo Linhares incluiu entre elas mais uma: matou o personagem de Blat – assassinado durante a fuga da pedreira de Agór – e deixou o caminho livre para o ator migrar para a faixa das 21h. Com isso, Cássio jamais chegou a insinuar a atração que originalmente sentiria por Amália.

[/nextpage][nextpage title=”Próximo” ]

Gregório (Danton Mello) ficou sem função na história (Imagem: Divulgação / Globo)

2- Gregório, o “talarico” substituto

Diante da saída de Cássio, os autores se viram diante de mais um problema: quem iria se encarregar de disputar Amália com Afonso, garantindo aquele triângulo amoroso básico que toda novela deve incluir na trama principal?

A saída foi criar Gregório (Danton Mello), antigo amigo de Afonso que chegava a Montemor atendendo ao convite do rei para formar sua equipe de conselheiros. Logo em suas primeiras cenas, o personagem já deixou evidente seu interesse por Amália, deixando claro que estava ali para ser uma espécie de “Cássio 2.0”.

Ocorre que, em meio a todas as mudanças realizadas na sinopse original para atrair mais audiência, o personagem acabou esquecido e ficou sem função, nunca tendo chegado a disputar verdadeiramente Amália com Afonso e servindo apenas para gerar certa expectativa por um triângulo que de fato jamais se formou.

[/nextpage][nextpage title=”Próximo” ]

Paula Fernandes contracenou com Marina Ruy Barbosa em “Deus Salve o Rei” (Imagem: Divulgação / Globo)

3- Paula Fernandes, desafinada de mentirinha

Logo nos primeiros meses de “Deus Salve o Rei”, foi anunciada uma participação especial da cantora Paula Fernandes na trama. A sertaneja, em sua estreia como atriz de novelas, interpretaria um personagem criado especialmente para ela: irmã Paulina, uma freira bastante atrapalhada que conhece Lucrécia (Tatá Werneck) durante sua estadia em um convento e sonha em integrar o coral da instituição, apesar de ser terrivelmente desafinada.

Lucrécia, de fato, chegou a entrar para a vida religiosa depois que o marido, Rodolfo (Johnny Massaro), trocou-a por Catarina (Bruna Marquezine). O público, porém, não aprovou o afastamento do casal, considerado um dos grandes atrativos da trama, e a solução encontrada pela direção foi abreviar o tempo de Lucrécia no convento para reaproximá-la o quanto antes de Rodolfo. Com isso, a irmã Paulina nem chegou a dar as caras na trama.

A ideia de ter Paula Fernandes na história medieval já parecia ter caído no esquecimento quando o diretor Fabrício Mamberti a reconvocou para o elenco, agora em outro personagem. A intérprete de “Quando a Chuva Passar” acabou interpretando, durante apenas três capítulos, a princesa Beatriz, candidata a um casamento de fachada com Afonso para beneficiar Montemor.

[/nextpage][nextpage title=”Próximo” ]

José Fidalgo não vingou com seu Constantino (Imagem: Divulgação / Globo)

4- Revelação portuguesa com certeza (só que não)

Antes da estreia da trama, a presença do astro lusitano José Fidalgo foi bastante enfatizada para a imprensa como a nova “revelação” trazida da terrinha, a exemplo do que já o foram Ricardo Pereira e Paulo Rocha em outros tempos.

Porém seu personagem, o vilão Constantino, acabou saindo de cena após sequestrar Catarina, com cara de quem não voltaria mais a aparecer. Inicialmente, chegou-se a considerar a possibilidade de eliminá-lo de vez. Pensou-se melhor, porém, e Constantino acabou voltando por um breve período, para rivalizar com Afonso na famigerada “pedreira de morte” e depois morrer nas mãos de Catarina.

[/nextpage][nextpage title=”Próximo” ]

Bruna Marquezine
Globo não deixou Catarina (Bruna Marquezine) ser estuprada em “Deus Salve o Rei” (Imagem: Divulgação / Globo)

5- Meu horário, minhas regras

Chantageada por Otávio (Alexandre Borges) e obrigada a casar-se com ele, Catarina descobriria uma forma de libertar-se das amarras impostas pelo vilão: libertar Augusto (Marco Nanini) com a ajuda de Virgílio (Ricardo Pereira) e mandá-los para bem longe de Lastrilha. A vilã, no entanto, pagaria caro pela ousadia: seria aprisionada e depois estuprada por Otávio. Grávida a partir dessa violência, Catarina faria a criança passar-se por filha de Afonso.

A sequência do estupro de Catarina chegou a ser escrita pelo autor Daniel Adjafre, com os devidos cuidados para se adequar à faixa das 7 da noite. Mesmo assim, a direção da Globo considerou inapropriado veicular uma cena de violência sexual neste horário e obrigou o autor a mudar de planos: ao invés de ser forçada a transar com Otávio, Catarina se entregaria a ele por iniciativa própria, numa manobra para distraí-lo enquanto Augusto e Virgílio escapavam – surgindo então sua gravidez indesejada, que ela mais tarde usaria a seu favor.

[/nextpage][nextpage title=”Próximo” ]

Academia militar perdeu destaque no folhetim medieval (Imagem: Divulgação / Globo)

6- Que espada foi essa?

A escola preparatória para oficiais da guarda de Montemor prometia ser palco de alguns dos entrechos mais empolgantes de “Deus Salve o Rei”, como a saga de Selena (Marina Moschen), uma mulher desejosa de se destacar nesse ambiente dominado por homens, e seu triângulo amoroso com o delicado Ulisses (Giovanni de Lorenzi) e o desbocado Saulo (João Vithor de Oliveira).

Conforme a história avançava, no entanto, foi detectado que esse núcleo não gozava do total apreço da audiência. O militarismo começou, então, a perder espaço na história, e até mesmo sua “protagonista”, Selena, acabou migrando para outra ala, a da feitiçaria. Ulisses, por sua vez, tornou-se quase um figurante no núcleo da cozinha real de Montemor, enquanto Saulo acabou limado da história, vítima fatal da peste que assolou o reino medieval durante alguns capítulos.

[/nextpage][nextpage title=”Próximo” ]

A atriz Cláudia Jimenez
A atriz Cláudia Jimenez viveria Margô em “Deus Salve o Rei” (Imagem: Divulgação / Globo)

7- Cláudia Jimenez: a que foi sem nunca ter sido

A humorista foi convidada por Fabrício Mamberti para interpretar Margô, a tia maluca de Lucrécia (Tatá Werneck) que acreditava ser rainha de Alcaluz e acabaria vítima de um golpe do baú de Rodolfo (Johnny Massaro).

Cláudia aceitou prontamente o convite, mas, em seu primeiro dia de gravações, foi acometida por uma crise de pressão alta e teve de ser dispensada dos sets. Em seu lugar, a produção escalou às pressas Cristina Mutarelli, recém-saída de “Carinha de Anjo”, novela infantil do SBT.

A ideia era que Cláudia, já recuperada, ganhasse um outro personagem na novela, a exemplo do que aconteceu com a cantora Paula Fernandes em uma situação similar. Mas o tempo foi passando e, faltando apenas o capítulo final para ir ao ar, parece que a volta da comediante ficou mesmo só na intenção…

[/nextpage]

Saiba Mais:

“Deus Salve o Rei” – Lucrécia espera um filho de Rodolfo: “Nós estamos grávidas!”

“Deus Salve o Rei”: Catarina se une a Otávio contra Afonso

A Redação do RD1 é composta por especialistas quando o assunto é audiência da TV, novelas, famosos e notícias da TV.  Conta com jornalistas que são referência há mais de 10 anos na repercussão de assuntos televisivos, referenciados e reconhecidos por famosos, profissionais da área e pelo público. Apura e publica diariamente dezenas de notícias consumidas por milhões de pessoas semanalmente. Conheça a equipe.

WordPress Lightbox