Sem Gabriela Spanic e com cara de Netflix, remake de A Usurpadora afunda audiência do SBT

A Usurpadora
Sandra Echeverría e Andrés Palacios, protagonistas de A Usurpadora; remake garante baixa audiência nos primeiros episódios (Imagem: Divulgação / Televisa)

A série A Usurpadora estreou no horário nobre do SBT na quarta-feira da semana retrasada, dia 6 de outubro. Depois de um primeiro episódio promissor, a produção caiu na audiência e virou um dos vários problemas da grade de programação do canal paulista.

As primeiras cenas do remake da história das irmãs gêmeas Paola e Paulina, agora sem a presença marcante de Gabriela Spanic, deram ao SBT 7,3 pontos de média. A novidade alavancou o prime time da TV de Silvio Santos, mas de lá para cá a situação foi totalmente oposta.

A produção mexicana, com jeito de Netflix, caiu para 5,8 pontos de média na quinta-feira (7) e bateu recorde negativo na sexta-feira (8), com apenas 4,0 pontos. Nas três ocasiões, a atração ficou em terceiro lugar, atrás da Record.

A primeira semana rendeu média de 5,7 pontos. Vale ressaltar que o horário foi fundamental para a má fase inicial da série. O primeiro capítulo foi ao ar após as 22h00, enquanto os outros dois foram exibidos às 21h30, sucedendo a reprise de Carinha de Anjo e antecedendo o Programa do Ratinho.

Na segunda semana, entre os dias 11 e 15 de outubro, A Usurpadora oscilou positivamente da segunda (4,6) para a terça-feira (6,6), bateu recorde negativa na quarta (3,6), subiu na quinta (5,3) e repetiu o pior desempenho na sexta-feira (3,6).

Ontem (18), a produção abriu a terceira semana com 4,0 pontos de média, a sua pior segunda-feira. Para novembro, o SBT anunciou Se Nos Deixam, novela inédita da Televisa.

Nova versão

O remake de A Usurpadora, produzida como série no México, é totalmente diferente da versão original, mas resgata as gêmeas Paola e Paulina (Sandra Echeverría). No Brasil, o sucesso foi tamanho que o SBT exibiu a produção nada mais que seis vezes.

Se antes as duas estavam envolvidas com a família Bracho, agora elas se veem inseridas na mais alta esfera do poder. Paola é a primeira-dama do México que tenta, sem sucesso, divorciar-se de Carlos (Andrés Palacios).

Diante das recusas do presidente, ela decide colocar Paulina, jovem engajada em causas sociais, no seu lugar. O plano consiste na morte da irmã, o que permitiria Paola viver no anonimato e com o seu amante.

A narrativa ganha novos contornos quando Paulina sobrevive ao atentado e passa a desfrutar do posto que era de Paola, então decidida a desfazer a farsa e retomar seu lugar. A produção fica na grade do SBT até o início de novembro.

MAIS LIDAS

Paulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email [email protected].
Veja mais ›