Trocar o jornalismo pelo entretenimento: sucesso para uns, risco para outros

Entretenimento
Trocar o jornalismo pelo entretenimento tem se tornado cada vez mais comum na TV (Imagens: Divulgação / Montagem RD1)

Nos últimos anos, uma tendência se acentuou pela TV brasileira: profissionais que decidem trocar o jornalismo pelo entretenimento. Das bancadas dos principais telejornais para realities e talent shows ou então para um programa para chamar de seu.

Para alguns, essa transição, de fato, representou uma guinada na carreira. Para outros, porém, trocar o jornalismo pelo entretenimento foi uma aposta de risco. Relembre os principais casos:

Quem acertou ao trocar o jornalismo pelo entretenimento

Fátima Bernardes

Fátima Bernardes
Fátima Bernardes no cenário do Encontro; programa chegou a marca de oito anos (Imagem: João Cotta / Globo)

Em 2011, a notícia de que Fátima Bernardes trocaria a bancada do Jornal Nacional por um programa de entretenimento pegou a todos de surpresa. Além da trajetória vitoriosa, ela formava com William Bonner um dos casais mais respeitados pelo público.

Alguns meses depois, nascia o Encontro. Oito anos se passaram e o programa segue como uma das principais apostas da grade matinal. Em tempos de pandemia, a atração absorveu o tradicionalíssimo Mais Você.

Ao longo desse período, a Globo fez alguns ajustes no formato até que a atração caísse de vez nas graças do público. Fátima celebrou a sua evolução.

“Evolução no sentido de desligamento de uma tarefa e de uma função altamente jornalística de hard news no principal telejornal, para outra postura profissional que é dessa pessoa que se diverte com o público. Então, quanto mais eu consigo me divertir com o programa, mais eu acredito que o público também se diverte”, avaliou.

Tiago Leifert

Tiago Leifert
Tiago Leifert se tornou o “rei dos realities” da Globo (Imagem: Globo / Victor Pollak)

Em 2012, Boninho escolheu Tiago Leifert – então apresentador da edição paulista do Globo Esporte –  para comandar o The Voice Brasil. A competição musical fez sua estreia naquele ano.

Àquela altura, o jornalista colhia os bons resultados da mudança na linha editorial do esportivo, que aboliu o teleprompter e passou a apostar em pautas mais descontraídas.

Nos primeiros anos, essa transição acontecia na base do empréstimo. Tiago só se afastava do Globo Esporte durante a temporada do talent show.

Em dado momento, trocar o jornalismo pelo entretenimento definitivamente passou a ser uma questão de tempo. Quando isso aconteceu, Leifert até fez parte da formação original de apresentadores do É de Casa. Em ocasiões bastante pontuais, chegou a substituir Fátima no Encontro.

Isso até se tornar o rei dos realities. Em 2016, acumulou a versão adulta com a primeira temporada do The Voice Kids. Mas teve que abrir mão do talent show infantil no ano seguinte, quando assumiu o BBB em substituição a Pedro Bial.

Nesse meio tempo, conseguiu emplacar o Zero1, programa geek exibido na madrugada de sábado para domingo. Na Copa do Mundo de 2018, voltou ao esporte temporariamente para comandar a Central da Copa. Parece que, na agenda de Leifert, sempre há espaço para mais um projeto.

Ana Paula Padrão

Ana Paula Padrão
Depois de passagens por Globo, Record e SBT, Ana Paula Padrão reinventou carreira na Band (Imagem: Divulgação / Band)

Ana Paula Padrão construiu uma trajetória bastante vitoriosa no jornalismo. Teve passagens marcantes por noticiários de Globo, SBT e Record. Mas foi na Band que ela decidiu reinventar a carreira. Como não se sentia mais desafiada ao estar em uma bancada, a emissora lhe fez o convite para trabalhar com o Masterchef.

Sobre essa transição, Ana faz duas confissões: a primeira delas é a de que, até aquele momento, ela não conhecia o formato. E também que as duas primeiras temporadas a frente do reality culinário não foram fáceis.

Em entrevista à Revista Caras, ela contou que, quando o reality caiu no gosto popular, passou a receber pedidos para tirar fotos nas ruas. “A gente realmente não imaginava que iria fazer tanto sucesso e muito menos que a gente teria a possibilidade de mudar a maneira que as pessoas enxergam fazem comida no Brasil”, festejou.

Prova disso é o fato da Band investir em várias versões do formato. Além da disputa entre anônimos, já foram exibidas temporadas com profissionais e crianças.

Quem não conseguiu a mesma visibilidade com a troca

Patrícia Poeta

Patrícia Poeta
Patrícia Poeta saiu do JN com promessa de programa próprio; foi parar no É de Casa (Imagem: Globo / Victor Pollak)

No jornalismo, Patrícia Poeta construiu uma bem-sucedida carreira. Esteve a frente do SPTV e foi correspondente internacional. Viveu seu auge no Fantástico, do qual foi apresentadora por quatro anos.

O bom desempenho no dominical contribuiu para o convite para comandar o Jornal Nacional, em 2011. Mas sua passagem pelo principal telejornal do país foi relativamente curta. Cerca de dois anos e onze meses depois, Renata Vasconcellos assumiria o posto.

A justificativa oficial é a de que Patrícia, a exemplo de Fátima, se dedicaria a um projeto no entretenimento. Mas, até hoje, o programa solo não passou de uma promessa.

A solução encontrada pela Globo foi integrá-la ao É de Casa. O matinal, aliás, parece ter sido criado sob medida para apresentadores subaproveitados na emissora.

Adicionalmente, Patrícia se tornou uma das substitutas oficiais de Ana Maria Braga e Fátima Bernardes. Sempre que apresenta o Encontro ou o Mais Você, ela faz questão de mencionar o matinal de sábados. É  como se ela precisasse lembrar ao público que ainda está no ar.

Zeca Camargo

Zeca Camargo
De saída da Globo, Zeca Camargo negocia com a Band (Imagem: Divulgação / Globo)

Depois de 18 anos exercendo diferentes funções – criação, reportagem e apresentação – no Fantástico, Zeca Camargo aceitou o convite de Ricardo Waddington para assumir o Vídeo Show em 2013. Já naquela época, o programa sobre os bastidores da TV dava sinais de desgaste.

Com a reformulação, o vespertino deixou em segundo plano as reportagens sobre os bastidores da TV para centrar na participação de um convidado em estúdio. Mas o formato não agradou. Permaneceu no ar por, aproximadamente, um ano.

Antes de deixar o programa em definitivo, Zeca desenvolveu a série “Pelo Mundo das TVs”, que contava, ao telespectador curiosidades sobre a maneira de fazer televisão em outros países.

Depois, a exemplo de Patrícia Poeta, foi deslocado para o É de Casa. No matinal, seu momento de maior destaque talvez tenha sido o quadro-merchan “Reforma Certa”. A obra, em um de seus apartamentos, foi transformada em um reality show.

Zeca permaneceu no programa até maio deste ano, quando foi confirmada a não renovação do seu contrato. Agora, ele está em negociações com a Band para assumir um renovado Aqui na Band.

Fernanda Gentil

Fernanda Gentil
Com Se Joga ameaçado, Gentil tem quadro no É de Casa e cobre férias no Encontro (Imagem: Divulgação / Globo)

Por último, vale destacar o caso de Fernanda Gentil. Sucesso na Copa de 2014 e também nas Olimpíadas Rio 2016, ela foi promovida à apresentadora do Globo Esporte e, depois, Esporte Espetacular.

Em dezembro de 2018, ela apresentou o dominical pela última vez antes de trocar o jornalismo pelo entretenimento. Ficou nove meses fora do ar, envolvida na concepção do desastroso Se Joga.

Aposta da Globo, o novo programa não empolgou. Games desinteressantes e quadros de humor que não fazem rir, além do indigesto Doce ou Fake, que mostrava convidados gorfando em plena hora do almoço.

Não à toa, a nova atração foi alvo de uma enxurrada de críticas por parte da imprensa e também de telespectadores. E o mais importante: o Se Joga não conseguiu devolver à Globo a liderança no confronto com a Hora da Venenosa.

O acaso, ou melhor dizendo, a pandemia de Coronavírus resolveu esse problema. Com o Jornal Hoje mais longo por conta da cobertura, as fofocas da concorrência já não são mais uma ameaça.

Essa conjunção de fatores põe em xeque o retorno do programa. A Globo ainda insiste que volta, mas esse discurso não está alinhado as decisões da emissora. Fernanda Gentil ganhou um quadro. Adivinhem em que programa? Isso mesmo: no É de Casa.

Em paralelo, vai dividir com Patrícia Poeta a tarefa de comandar o Encontro durante as férias da titular. Cada uma delas vai apresentar o programa por uma semana.

E você? Concorda com a nossa lista? Acredita que mais alguém deveria trocar o jornalismo pelo entretenimento? Deixe a sua opinião nos comentários deste post ou nas redes sociais do RD1.

CONTINUE LENDO →
Piero Vergílio é jornalista profissional desde 2006. Já trabalhou em revistas de entretenimento no interior de SP e teve passagens pelo próprio RD1. Em tempos de redes sociais, criou um perfil (@jornalistavetv) para comentar TV pelo Twitter e interagir com outros fãs do veículo. Agora, volta ao RD1 com a missão de publicar novidades sobre a programação sem o limite de 280 caracteres.
ALERTAS GRATUITOS