Vacinado nos EUA, Marco Pigossi culpa Bolsonaro pela morte de Paulo Gustavo

Marco Pigossi
Marco Pigossi se revolta com forma de vacinação do Brasil (Imagem: Divulgação)

Aos 32 anos, Marco Pigossi já foi vacinado nos Estados Unidos e compartilhou um registro do momento nas redes sociais. Morando na Califórnia, em razão de projetos para a Netflix, como as gravações da série Cidade Invisível, ele usou seu perfil no Instagram para desabafar sobre a morte de Paulo Gustavo, que não resistiu às complicações da Covid-19, e culpou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pelo ocorrido.

O humorista faleceu nesta terça-feira (4), após ficar 53 dias internado em um hospital do Rio de Janeiro.

Na publicação, ele destacou a lentidão com que a imunização está acontecendo no Brasil, diferente de outros países do mundo: “Eu tomei a vacina há exatos 32 dias. E não ia postar essa foto, achei que não seria de bom tom. Mas, diante de tantas perdas no nosso país, decidi postar. Porque o intuito é mesmo gerar indignação“, começou o astro.

Indignação com um líder que ignorou uma doença e é diretamente responsável pela morte de mais de 400 mil brasileiros. Aqui, o líder que ignorava a doença foi trocado. O novo presidente, com um plano honesto e organizado, já vacinou metade da população“, completou Pigossi, fazendo menção ao novo presidente Joe Biden.

O antecessor, Donald Trump, é um negacionista do vírus da Covid-19, além de ser contra a ciência, chegando a fazer campanha contra a vacina. Bolsonaro, seguindo a mesma linha ideológica, aderiu a mesma postura, recusando compras de imunizantes no ano passado.

Com a vitória de Biden nas eleições presidenciais americanas contra Trump, o país avançou na vacinação em massa da população.

Ontem foi o segundo dia consecutivo sem mortes na Califórnia. Ontem foi o dia em que perdemos um ícone que o Brasil tanto amava. Ontem poderia ter sido evitado. Poderia ter sido evitado mais de 400 mil vezes“, finalizou o artista.

Nos comentários, muitos famosos e fãs também externaram sua indignação com a situação da crise sanitária no Brasil. “Feliz por você. E não, não foi uma fatalidade…poderia ter sido evitado“, frisou Fernanda Paes Leme.

O sentimento é exatamente esse: indignação. Porque poderíamos estar numa situação bem melhor, não fosse a negação da realidade e a omissão deliberada do presidente. Absurdo esse descaso com o cidadão brasileiro”, destacou um internauta.

Confira:

Elson BarbosaElson Barbosa
Jornalista, encantado pelo entretenimento e pela possibilidade de contar e conhecer várias histórias ao mesmo tempo. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @ellsonbarbosa
Veja mais ›