Aos 62 anos, Pedro Bial revela experiência surpreendente com a paternidade

Pedro Bial falou sobre a paternidade em entrevista a Eduardo Sterblitch (Imagem: Reprodução / Globoplay)

Convidado da semana do Sterblitch Não Tem Um Talk Show, o Talk Show, do Globoplay, Pedro Bial comentou sobre sua experiência com a paternidade. O apresentador é pai de cinco filhos, sendo as mais jovens Laura, de três anos, e Dora, prestes a completar um, ambas frutos da união com Maria Prata. Apesar da experiência, o jornalista afirmou que a paternidade é sempre uma surpresa.

Não tem como acostumar. É tudo tão milagroso e cada um já nasce tão singular… é inclusive um bom termômetro de onde eu mandei bem, onde eu acertei, porque cada um é muito diferente do outro“, avaliou Bial, que vê um aprendizado na caçula Dora, que não foge a regra.

“A Dora vai fazer um ano. Ela tem me ensinado… é um aprendizado de você mesmo; porque você olha e vê você quando era pequeno. A Dora é a primeira que é fisicamente parecida comigo”, disse ele, que elogiou a personalidade da caçula: “Ela tem uma garra, um espirito de luta… depois você vai sendo moldado pela civilização e disfarça esse espírito de passar por cima de qualquer coisa pelo que você quer”.

O apresentador contou também que a atenção dada à saúde aumentou com a idade. “Gosto muito de salada, frutos mar, de peixe; o problema é o seguinte: quando você começa a apreciar a comida já não pode comer nada, porque não tem idade. Tudo engorda nada pode”, desabafou.

Há duas décadas na Globo, o jornalista foi questionado sobre os momentos mais emocionantes da carreira e elegeu a entrevista que fez ao ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama, como um “momento marcante” lado a lado com a vez em que entrevistou Paul McCartney: “Ele me recebeu cantando e eu fiquei muito encantado”.

Ele ainda confidenciou que, aos onze anos, conheceu Vinicius de Moraes ao lado de Cazuza: “Ele [Vinicius] nos recebeu na banheira, bebendo uísque. Chegamos às 10 da manhã e saímos às dez da noite”.  

Teuto-brasileiro, Bial falou sobre as afinidades que mantém com a Alemanha, terra de seus avós, judeus que se refugiaram no Brasil durante a segunda guerra mundial.

“O Estado alemão me deu cidadania como compensação de guerra; pagaram parte dos meus estudos até a universidade. Aquilo é familiar, a cultura, os alimentos e, ao mesmo tempo, não tenho nenhuma relação, sou inteiramente brasileiro”, garantiu o apresentador do Conversa com Bial.

MAIS LIDAS

Veja mais ›