Comentarista da Jovem Pan chama esporte de porcaria e Confederação de Atletismo reage

Adrilles Jorge
Adrilles Jorge faz comentário polêmico sobre esporte das Olímpiadas e Confederação reage (Imagem: Reprodução / Jovem Pan)

Na última quarta-feira (4), o atleta brasileiro Darlan Romani conquistou o quarto lugar na competição de arremesso de peso nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Após a prova, uma declaração polêmica do comentarista Adrilles Jorge, da Jovem Pan, foi considerada ofensiva pela Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), que se posicionou sobre o assunto.

É um esporte de merda que ninguém quer assistir, e tem que patrocinar uma porcaria dessas“, disse Adrilles na ocasião.

A CBAt, então, emitiu um comunicado repudiando o comentário e ainda destacou a importância da modalidade nas Olimpíadas, uma das mais tradicionais da Era Moderna. Na oportunidade, ainda enfatizou que tomará medidas cabíveis em relação ao ocorrido.

“A CBAt comunica que já acionou seu departamento jurídico para tomar todas as medidas cabíveis. O atletismo é o esporte-base para todas as demais modalidades e um dos mais inclusivos e democráticos, pois abre a possibilidade da prática esportiva a pessoas de todos os biótipos. O atletismo está no programa olímpico desde a Antiguidade e nos Jogos da Era Moderna desde a primeira edição, em 1896. O arremesso do peso é uma prova tradicional no esporte. A categoria masculina é disputada desde os primeiros Jogos da Era Moderna, em Atenas-1896. Já a feminina passou a integrar o programa olímpico do atletismo em Londres-1948”.

Cabe lembrar que a instituição e o atleta também se tornaram assunto na semana passada, após a esposa de Darlan, Sara Romani, denunciar uma suposta negligência da CBAt em fornecer equipamentos necessários para a preparação.

Sara afirmou ainda que o marido se ofereceu para construir os aparelhos que precisava, mas não teve autorização de colocá-los dentro do centro de treinamento.

“Desde que ele foi trazido para Bragança Paulista, eles estão para terminar a academia, comprar os aparelhos da academia que ele de fato precisa, que são materiais que até ele mesmo já propôs confeccionar, aparelhos que ele precisaria, mas não teve a permissão para colocar dentro do centro. Muitos materiais não chegaram porque ‘ah não foi pedido, não chegou”, disse.

“Você vai lá na academia, você vai ver todos os materiais lá na academia. Todos servem para o Darlan? Não. Já foi solicitado? Já. Não chegou por quê? Não sei”, complementou.

A Confederação também comentou sobre o caso, negando qualquer tipo de negligência, parabenizou Darlan pelo resultado obtido em Tóquio e o isentou das críticas, lamentando o posicionamento de Sara. A entidade ainda afirmou que deu ao atleta toda a estrutura necessária para a preparação durante o ciclo olímpico.

Elson Barbosa
Jornalista, encantado pelo entretenimento e pela possibilidade de contar e conhecer várias histórias ao mesmo tempo. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @ellsonbarbosa
Veja mais ›