Em meio à crise sem precedentes, Jornal Nacional sobe o tom contra Bolsonaro

Jornal Nacional
William Bonner no comando do JN desta sexta (29); telejornal elevou o tom das críticas ao presidente (Imagem: Reprodução / Globo)

Principal “inimigo” do presidente Jair Bolsonaro, o Jornal Nacional decidiu elevar o tom nas críticas ao atual Governo. Na edição de ontem (27), o telejornal da Globo dedicou boa parte dos seus destaques ao momento de crise sem precedentes que vive o país.

O noticiário “bateu” forte no político e seus aliados ao soltar grandes reportagens a respeito do fato da cesta básica corresponder à metade do salário mínimo brasileiro, da crise hídrica e também do novo aumento de energia.

O JN falou logo no começo sobre a situação preocupante dos brasileiros com a alimentação. Ao chamar a matéria a respeito do assunto, Renata Vasconcellos até ressaltou que “a cada mês os trabalhadores estão comprometendo uma parcela maior do salário com itens básicos, como a alimentação”.

A reportagem, então, mostrou detalhes dos impactos da inflação na renda dos mais pobres e ainda apresentou reclamações de várias pessoas a essa situação. Na volta ao estúdio, William Bonner destacou uma fala polêmica do presidente em meio à crise.

“Numa conversa com apoiadores, hoje de manhã, no Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro voltou a estimular a população a comprar armas de fogo. O presidente da República disse que é idiota quem afirma que é preciso comprar feijão em vez de fuzil”, noticiou o âncora, que ainda demonstrou, com sutis expressões, o desconforto pela fala de Bolsonaro.

Na sequência, o Jornal Nacional já emendou com a reportagem sobre a grave crise hídrica do Brasil, que acontece mesmo com o aumento na conta de energia.

Alvo de frequentes ataques do chefe do Executivo, a Globo tem adotado uma postura bem diferente do que aconteceu em outros governos. A última mudança nos telejornais da empresa começou a ser colocada em prática em junho passado. De lá para cá, a emissora vem divulgando pesquisas sobre as eleições de 2022. Nelas, inclusive, Bolsonaro aparece sendo derrotado na corrida eleitoral.

A verdade é que o canal não tem mais escondido do seu público as desavenças com o presidente. Além disso, faz questão de mostrar que o Governo está fraco e sendo rejeitado por parte da população brasileira.

Tudo isso nos leva a crer que, daqui até outubro de 2022, veremos ainda muitas demonstrações de que a Globo não está para brincadeira…

Luiz Fábio Almeida
Luiz Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e colunista do RD1. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser através do email [email protected]
Veja mais ›