Em momento raro, Luciano Huck detona situação da pandemia em programa da Globo

Luciano Huck
Luciano Huck surpreende com comentário sobre a pandemia durante programa (Imagem: Reprodução / Globo)

Luciano Huck manifestou várias vezes sua opinião sobre a situação do país na pandemia do coronavírus, já criticou abertamente o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seus auxiliares, mas sempre nas redes sociais, não na Globo. O contrário foi visto neste sábado (10), com um desabafo dele no Caldeirão do Huck.

O comentário do apresentador veio à tona durante o quadro Tem ou Não Tem, no início do programa. Ele lamentou o número de mortes na pandemia, até ontem 349 mil, e destacou que as famílias não puderam enterrar os seus parentes.

Durante os questionamentos, o contratado da Globo desafiou as duas famílias: encontrar as respostas mais comuns dadas por cem brasileiros sobre as atividades que precisaram ser paralisadas por causa da pandemia da Covid-19 em todo o país. Uma das participantes mencionou os velórios, mas não converteu em ponto durante o jogo.

Talvez a gente possa melhorar [a pergunta]. O que as pessoas não puderam fazer nesta pandemia? Mais de 300 mil mortos na pandemia de Covid-19, e as pessoas não puderam nem velar os seus entes queridos“, soltou.

Essa sua resposta faz refletir que essas é uma das coisas mais dolorosas e penosas da pandemia, além desse número bíblico de mortos, foram as pessoas impedidas de velar seus mortos. Eu não tinha pensado nisso, mas é triste“, ressaltou.

Recentemente, ele usou um desabafo de João, do BBB 2021, e cutucou o governo: “No BBB, o participante João Luiz deu um relato para Fiuk sobre sua realidade e seu salário como professor de geografia. ‘Eu dava 18 aulas semanais em 2020. Elas eram distribuídas de segunda a sexta, todos os dias, na parte da manhã, e à tarde eu ficava cumprindo uma hora na escola que eu tinha que cumprir. Eu pegava um ônibus que custava R$ 30 a passagem. Então todos os dias eu gastava R$ 60 só de passagem. Eu ganhava R$ 2.000,00’“.

Não existe país desenvolvido onde professores não são valorizados, aplaudidos, respeitados e bem remunerados. Simplesmente não existe. Os professores são as pontes que nos levam ao país que queremos“, defendeu.

Paulo CarvalhoPaulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email paullocarvalho19@gmail.com.
Veja mais ›