Estrelas de Sob Pressão, Júlio Andrade e Marjorie Estiano doam sangue

Sob Pressão
Marjorie Estiano e Júlio Andrade doam sangue após episódio de Sob Pressão (Imagem: João Cotta / Globo)

Na última quarta-feira (1º), o episódio de Sob Pressão tratou de um assunto bastante delicado: a falta de bolsas de sangue durante cirurgias. Júlio Andrade, o doutor Evandro, e Marjorie Estiano, a doutora Carolina, protagonizaram cenas de bastante tensão. Da ficção para a vida real, a situação mudou.

A Globo aproveitou a repercussão do episódio e promoveu uma ação com os dois atores e mais David Junior e Barbara Reis. Juntos, eles foram até o Hemorio, centro de doação de sangue, no Centro do Rio de Janeiro, e deram início à campanha Corrente Sob Pressão.

“O sangue é fundamental, ele é o nosso combustível e é o que faz a gente estar vivo”, declarou Júlio Andrade. “Estar aqui de novo abraçando essa campanha é muito gratificante”, completou.

“A gente sabe da necessidade e da relevância”, salientou Marjorie Estiano. “E o benefício que Sob Pressão traz para a gente e para o público é de materializar isso, mostrar como a necessidade se apresenta e do quanto o gesto é simples”, resumiu.

Em entrevista ao jornal O Globo, Marjorie Estiano falou sobre a indicação ao Emmy Internacional pelo trabalho como a médica Carolina:

“Isso me mostra que foram tocados pelas histórias que estamos contando, antes de qualquer coisa. Fico muito feliz, primeiro, porque me faz acreditar que foram atingidos, se sentiram emocionados e, assim, o trabalho se fecha, se completa no espectador. E depois porque comungo desse impulso também, o que emociona me entusiasma. Me desperta o desejo de compartilhar o que disparou a sensação”.

Em 2020, a equipe da série produziu dois episódios especiais com foco na pandemia. Intitulados como Plantão Covid, o produto foi uma espécie de homenagem aos profissionais da linha de frente. A atriz garantiu que este trabalho, em especial, vai ficar marcado em sua trajetória.

“Filmar naquele período da pandemia foi particularmente desgastante por todas as razões. Os riscos que assumimos, a instabilidade emocional, a energia que é consumida com esse constante estado de alerta… Tudo isso somado ao arco dramático da ficção. Os bastidores e a ficção acontecendo ao mesmo tempo. A filmagem aconteceu em agosto do ano passado e até aquele ponto já vínhamos acompanhando a tragédia pela televisão e na vida há algum tempo, ironicamente sem saber que iria piorar muito ainda”, relembrou.

Paulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email [email protected].
Veja mais ›