Exclusivo: Novo horário de novelas, com Era Uma Vez…, eleva audiência do Canal Viva

Era Uma Vez...
Drica Moraes (Madalena) e Álvaro (Herson Capri) em Era Uma Vez…; novela turbina audiência do Canal Viva (Imagem: Divulgação / Globo)

O quarto horário de novelas do Canal Viva estreou bem! Era Uma Vez…, trama de Walther Negrão no ar às 12h45 e à 1h20, é líder de audiência nas duas faixas de exibição. O folhetim, que a Globo veiculou originalmente em 1998, impulsionou os índices do Viva no comparativo com 2020.

Dados obtidos com exclusividade pela coluna Curto-Circuito confirmam a liderança de Era Uma Vez… nos dois horários – considerando o Mercado Nacional, que afere números de 15 regiões metropolitanas, no período de 4 de janeiro a 22 de março. O Viva ampliou em 62% a sua participação na TV paga durante os capítulos, considerando o mesmo período no ano passado.

Desde a estreia, a produção estrelada por Andréa Beltrão, Drica Moraes e Herson Capri alcançou mais de 5,1 milhões de pessoas, uma média de mais de 271 mil pessoas por dia. A tendência é que a audiência cresça nas próximas semanas, já que a obra chegou ao “ponto de virada”.

Nesta semana, Xistus (Cláudio Marzo) transformou a borralheira Madalena (Drica) em Cinderela. A babá surgiu belíssima durante a festa de noivado de Bruna (Andréa) e Álvaro (Herson), atraindo a atenção do veterinário. Os dois trocaram beijos apaixonados no capítulo de terça-feira (23). A vilã, em surto, insistirá no compromisso, colocando as vidas dos pombinhos, e dos filhos dele, em risco.

Truque em Justiça 2

Manuela Dias
Manuela Dias revelou artifício para emplacar Justiça 2 no Emmy Internacional; autora também defendeu tramas de Amor de Mãe (Imagem: Jorge Bispo / Globo)

De olho no Emmy Internacional, o prêmio que é considerado o Oscar da televisão mundial, a autora Manuela Dias revelou durante uma live com a jornalista Andréia Sadi que apostará em mudanças no formato para chamar a atenção da academia. Segundo ela, a primeira temporada da série não foi entendida pelos jurados da premiação.

O pessoal da academia não vê a série toda. Eles veem o primeiro episódio e mais um aleatório que a gente escolhe, então eles não entenderam a série, como era o formato. Inclusive eu aprendi muito no Justiça 2 eu vou usar um truque porque eu quero o Emmy. Eu adoro ganhar prêmio. É um feedback muito físico, maravilhoso”, contou.

Manuela adiantou que a série continuará tendo 4 histórias que se entrelaçam, assim como na primeira temporada. “Vamos ter crimes, ou ditos crimes, vamos ter pessoas presas que saem da cadeia, mas é tudo diferente. […] E não vai ser em Recife, vai ser em Goiás”, adiantou.

Chororô

Ainda na live, Manuela comentou sobre as críticas que recebe por conta do sofrimento de personagens de Amor de Mãe, como a recente morte de Marconi (Douglas Silva) e o atropelamento que quase tirou a vida de Camila (Jéssica Ellen). “Isso incomodou algumas pessoas, como se houvesse uma fetichização da dor, do corpo negro, uma coisa que eu jamais me identifico”, ressaltou.

Em dramaturgia quando você faz alguém sofrer e, eventualmente, ter uma grande morte, é a chance do personagem acontecer. Eu não boto os personagens pra sofrer porque eu não gosto deles, pelo contrário, eu gosto dele. Olha a Lurdes [Regina Casé], venderam o filho dela, ela matou o marido sem querer, ficou mal, sem dinheiro… Você acha que eu não gosto da Lurdes? Eu amo a Lurdes”, concluiu.

Todo cuidado é pouco

A coluna já apontou a segunda temporada de Amor de Mãe como um documento sobre a pandemia no Brasil e no mundo, mas é bom a Globo reforçar os avisos sobre os cuidados de proteção ao coronavírus para que a trama das 21h não se torne fonte de desinformação aos brasileiros. No capítulo de terça-feira (23), Danilo (Chay Suede) teve contato direto com um infectado, Seu Nuno (Rodolfo Vaz), e sequer se preocupou.

Obrigado, haters!

Hariany Almeida
Hariany Almeida, ex-BBB e ex-A Fazenda, aproveitou críticas para crescer profissionalmente; influencer investe em canal no YouTube (Imagem: Divulgação)

Ex-BBB e ex-A Fazenda, Hariany Almeida revelou à coluna que críticas recebidas em sua primeira live como apresentadora se transformaram em inspiração para estudos durante a pandemia. “Quando apresentei a minha primeira live tive muitos erros, recebi críticas, fui bem atacada e a partir disso tomei a decisão, senti que tinham muitos pontos em mim que poderiam ser explorados”, destacou.

Fiz um curso diretamente apropriado as minhas principais necessidades de apresentação ministrado por Cauê Ferreira e Igor Pushinov, que já trabalharam com Bianca Andrade, a Boca Rosa, e Kéfera, e a preparadora de elenco da Rede Globo Fernanda Rocha”, salientou a influencer, que hoje soma 9,8 milhões de seguidores no Instagram, onde é referência de moda e beleza.

Agora, mais segura diante das câmeras, Hari passa a se dedicar com mais assiduidade ao YouTube, onde conta com mais de 200 mil inscritos. “É um desafio. […] Ali é realmente o meu programa com o conteúdo que eu quero entregar para quem me assiste, faço vários quadros e incluo maquiagem e beleza que é uma demanda muito forte que vem comigo do Instagram”, afirmou. Sucesso pra ela!

Duh Secco e Daniel RibeiroDuh Secco e Daniel Ribeiro
A coluna Curto-Circuito é assinada por Duh Secco e Daniel Ribeiro, editor-assistente e repórter especial do RD1, respectivamente, e reúne, de terça a sábado, logo cedinho, o que é e vai virar notícia nas próximas horas envolvendo os movimentados bastidores da TV.
Veja mais ›