Exclusivo! Saiba quais as novelas de maior audiência nos 10 anos do Canal Viva

Canal Viva
Canal Viva celebra 10 anos com conquistas históricas em audiência (Imagem: Reprodução / YouTube)

O Canal Viva completa 10 anos nesta segunda-feira (18), celebrando feitos incríveis na audiência! O Viva está na liderança da TV por assinatura no total do dia – considerando dados obtidos entre 1º de janeiro e 12 de maio deste ano. Os índices das novelas O Clone (2001), Chocolate com Pimenta (2003) e Brega & Chique (1987) cresceram 33% após o início da quarentena; todas ocupam o 1º lugar nos dois horários de exibição.

Por falar em números… Esta coluna do RD1 revela, com exclusividade, quais as cinco tramas de maior êxito na audiência nesta primeira década do canal. Foram 45 títulos resgatados ao longo destes 10 anos; Por Amor (1997) e Vale Tudo (1988) em duas ocasiões. O ranking compreende as exibições noturnas – 23h, 0h e 0h45 – e não considera os folhetins que estão no ar.

Canal Viva
Marcos Palmeira (Guma) em Porto dos Milagres; Canal Viva exibiu trama de Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares ano passado (Imagem: Divulgação / Globo)

5° lugar – Porto dos Milagres

Adaptação de Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares para dois romances de Jorge Amado, Porto dos Milagres (2001) desembarcou no Viva 18 anos após a exibição original – na vaga de Vale Tudo às 15h30 e 0h, reservada inicialmente para Força de um Desejo (1999), ainda na gaveta.

O enredo parte do reencontro dos gêmeos Bartolomeu e Félix Guerreiro (Antonio Fagundes). Para tomar a fortuna do primeiro, a esposa do segundo, Adma (Cássia Kis), dá sumiço na quase cunhada Arlete (Letícia Sabatella). Anos depois, os planos de poder de Félix esbarram na resistência do líder comunitário Guma (Marcos Palmeira).

Os dois desconhecem a condição de tio e sobrinho, já que o mais jovem foi acolhido por uma família de pescadores após a mãe deixá-lo num cesto no mar, crescendo longe da mansão do pai falecido. Na intenção de esconder tal parentesco, Adma assassina várias pessoas com o veneno que escondia em um anel. Ao lado de Guma está a tia Rosa Palmeirão (Luiza Tomé), por quem Félix se apaixona.

Canal Viva
Vanessa Giácomo (Zuca) e Daniel de Oliveira (Luís Jerônimo) em Cabocla, finalizada em abril no Canal Viva (Imagem: Divulgação / Globo)

4° lugar – Cabocla

Primeiro remake de Edmara e Edilene Barbosa de uma obra do pai, Benedito Ruy Barbosa, Cabocla (2004) foi escolhida para substituir ‘Porto’ após o adiamento de Chocolate com Pimenta. O público reagiu encantado à história de amor de Zuca (Vanessa Giácomo) e Luís Jerônimo (Daniel de Oliveira).

A cabocla do título estava noiva de Tobias (Malvino Salvador) quando conheceu o primo do Coronel Boanerges (Tony Ramos), vindo da cidade grande para tratar um mal de saúde na bucólica Vila da Mata, Espírito Santo. Zuca e Luís Jerônimo se entregaram à paixão, para desespero do ciumento Tobias – alvo do interesse da professora Mariquinha (Carolina Kasting).

Cabocla, baseada no livro homônimo de Ribeiro Couto, compreendia também o romance de Belinha (Regiane Alves) e Neco (Danton Mello). Ela, filha de Boanerges e Emerenciana; ele, herdeiro de Justino (Mauro Mendonça), desafeto do pai da moça. Através do clássico “Romeu e Julieta”, a trama promoveu um debate político que acabou por mobilizar a ação na reta final.

Canal Viva
Betty Faria no papel-título de Tieta; novela aguardada por anos bombou no Canal Viva (Imagem: Divulgação / Globo)

3° lugar – Tieta

Outra versão de Aguinaldo e Ricardo, aqui com Ana Maria Moretzsohn, para um clássico literário de Jorge Amado. O canal desejava exibir Tieta (1989) logo na estreia. Questões envolvendo os direitos – não se sabe se autorais, de imagem ou musicais – implicaram no adiamento.

O folhetim que marcou época às 20h destacava Tieta (Cláudia Ohana / Betty Faria), escorraçada de casa pelo pai, Zé Esteves (Sebastião Vasconcelos), por conta das intrigas da irmã Perpétua (Adriana Canabrava / Joana Fomm). Mesmo humilhada, por ocasião da expulsão de Santana do Agreste, ela contribui financeiramente com a família, voltando anos depois para cobrar tudo o que sofreu…

Tieta leva a modernidade para a cidadezinha, habitada por tipos inesquecíveis: as beatas Amorzinho (Lilia Cabral) e Cinira (Rosane Gofman), o beberrão Bafo de Bode (Bemvindo Sequeira), a solteirona Carmosina (Arlete Salles) e o mulherengo Osnar (José Mayer). Ainda, Tonha (Yoná Magalhães), madrasta da protagonista, que renasce após a morte do marido.

Canal Viva
Gabriela Duarte (Eduarda) em Por Amor; segunda reprise impulsionou audiência do Canal Viva (Imagem: Divulgação / Globo)

2° lugar – Por Amor

Em 2017, o Canal Viva apostou na segunda exibição de Por Amor, de Manoel Carlos. Os 20 anos da novela serviram de pretexto para o “resgate” às 23h – no lançamento do Viva, foi veiculada às 16h30. Ano passado, certamente por conta do êxito na TV por assinatura, a Globo “re-reprisou” Por Amor em Vale a Pena Ver de Novo.

Uma troca de bebês desencadeou a ação. Helena (Regina Duarte) deu seu filho vivo em troca do bebê morto de sua primogênita Eduarda (Gabriela Duarte). A controversa atitude a afastou do marido Atílio (Antonio Fagundes), que sucumbiu à “partida” do herdeiro, e não auxiliou – como Helena planejara – o mal sucedido casamento de Eduarda e Marcelo (Fábio Assunção).

Para complicar a vida de mãe e filha, Laura (Vivianne Pasmanter) e Branca (Susana Vieira). A primeira, ex de Marcelo que engravidava de gêmeos após um reencontro puramente sexual; a segunda, o mais antigo caso de Atílio, ainda apaixonada por ele. Branca também era a pedra no sapato da filha Milena (Carolina Ferraz) e de seu namoro com Nando (Eduardo Moscovis), piloto de avião.

Canal Viva
Adriana Esteves (Catarina) e Eduardo Moscovis (Petruchio) em O Cravo e a Rosa, líder de audiência no Canal Viva (Imagem: Divulgação / Globo)

1° lugar – O Cravo e a Rosa

Recebida com críticas pelos telespectadores com predileção por tramas mais antigas, em razão de seu repeteco no ‘Vale a Pena’ cinco anos atrás, O Cravo e a Rosa foi exibida às 23h ano passado. Marco da estreia de Walcyr Carrasco no canal, ‘Cravo’ acumulou a medalha de ouro dentre tantos clássicos…

Para salvar sua fazenda da falência, Julião Petruchio (Eduardo Moscovis) aceita cortejar a “fera” Catarina Batista (Adriana Esteves). Mas a ferrenha feminista nega-se a assumir compromisso, prejudicando a irmã mais nova, Bianca (Leandra Leal), que só poderá se unir a Heitor (Rodrigo Faro) após o casamento da primogênita de Batista (Luís Melo).

Apesar da difícil convivência, Petruchio e Catarina se mostram super apaixonados! É quando surge Marcela (Drica Moraes), ex dele e pretensa madrasta dela – elemento surpresa de Carrasco e seu parceiro Mário Teixeira para manter a novela em alta, após o esticamento imposto pela Globo por conta do sucesso de audiência. Ainda, o romance de Bianca e seu professor Edmundo (Ângelo Antônio).

Duh Secco é “telemaníaco” desde criancinha. Em 2014, criou o blog “Vivo no Viva”, repercutindo novelas e demais atrações do Canal Viva. Foi contratado pela Globosat no ano seguinte. Integra o time do RD1 desde 2016, nas funções de repórter e colunista. Também está nas redes sociais e no YouTube (@DuhSecco), sempre reverenciando a história da TV e comentando as produções atuais.

WordPress Lightbox