Fala de Daniela Lima na CNN Brasil sobre policial morto gera polêmica

Daniela Lima
Daniela Lima causa polêmica com comentário sobre chacina no Rio de Janeiro (Imagem: Reprodução / CNN Brasil)

Daniela Lima deixou a web revoltado por causa de um comentário feito na CNN Brasil sobre a chacina na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro. Segundo a âncora do CNN 360º, os bandidos não sabiam atirar, pois só mataram um policial.

“Uma operação policial que chega em um lugar para prender 21 pessoas, prende seis e deixa 25 mortos, precisa ser olhada de perto. Conseguiu o feito macabro de ser a mais letal da história do Rio”, detonou a jornalista.

“Moradores do Jacarezinho, onde aconteceu essa ação desastrada, para dizer o mínimo, trágica, da polícia foram a um protesto”, continuou ela, que chamou uma repórter no telão do estúdio:

“Raquel, 25 mortos e um policial. O discurso da polícia e que estava todo mundo fortemente armado. Aparentemente, estavam muito armados, mas não sabiam atirar. Eram 24 armados e mataram só um do outro lado, morreram todos esses”.

A declaração de Daniela Lima causou indignação em atores, cantores e até jogadores de futebol como Neymar, que não acreditou no que ouviu e chamou de “piada” a fala da jornalista.

Antonia Fontenelle, apoiadora do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), foi além: “Já sugeri que essa sujeita vá morar no Jacarezinho, já que ela acha pouco só um policial morto. Absurdo, inadmissível, imoral”, detonou.

“Essa mina é uma aberração”, atacou Márvio Lúcio. “O poste está mijando no cachorro!”, resumiu Latino. “Meu Deus do céu, em qual planeta essa mulher vive? Não é possível”, reclamou Eduardo Costa.

Uma ação policial em plena pandemia do coronavírus pegou os moradores da favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro, de surpresa. Ao todo, 25 pessoas morreram na briga entre policiais e traficantes. A ONU criticou a ação policial e pediu uma investigação independente da chacina, a mais letal da história da cidade.

Daniela Lima se defendeu no Twitter. “O que tem que prender 21, deixa quase 30 mortos e prende seis, não pode ser considerada eficaz. Obviamente estou questionando a tese de confronto, como também fez o STF. Eu, ao contrário de alguns, não queria ninguém morto”, defendeu.

“Em nenhum momento quis minimizar a morte do policial. Rogo por um país em que a polícia não tenha que matar é muito menos que morrer. Que tenha condições de, com segurança, cumprir a lei. Prender quem deve ser preso”, finalizou.

Confira:

Paulo CarvalhoPaulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email [email protected].
Veja mais ›