Jornal Nacional exibe pay-per-view da CPI da Covid e é ovacionado na web

Jornal Nacional
William Bonner na bancada do Jornal Nacional; telejornal bomba na web ao repercutir a CPI da Pandemia (Imagem: Reprodução / Globo)

A edição do Jornal Nacional da última sexta-feira (25) repercutiu mais uma sessão da CPI da Pandemia. A comissão recebeu os irmãos Miranda, responsáveis por uma acusação grave contra o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Em sessão bastante tumultuada, a CPI ouviu o servidor Luís Ricardo Miranda e seu irmão, Luís Miranda (DEM). Ele disse que informou o presidente Jair Bolsonaro sobre suspeitas de irregularidades no processo de aprovação para a importação da vacina indiana, a Covaxin.

O irmão dele, o deputado Luís Miranda, disse que Bolsonaro foi avisado no dia 20 de março, prometeu investigação, mas não fez nada. “Meu cargo não é indicação política. Não sou filiado a nenhum partido. Meu partido é o SUS. Minha função é trabalhar para que os insumos e vacinas cheguem de maneira mais rápida possível aos braços dos brasileiros, realizando toda parte de importação e de desembaraço o mais rápido possível. Trabalho em defesa do interesse público”, disse Luís Ricardo.

O telejornal ancorado por William Bonner e Renata Vasconcellos exibiu o principal comentário do servidor: “Fiz somente o que qualquer cidadão brasileiro deveria fazer: levei ao conhecimento daquele que eu acreditei, e ainda acredito, porque ainda não estão esclarecidas quais foram as ações tomadas, que deveria tomar todas as ações possíveis para coibir qualquer irregularidade”.

A web reagiu em peso em razão dos dois depoimentos e, principalmente, a repercussão da CPI da Pandemia dentro do Jornal Nacional, que transformou a sessão em um pay-per-view no melhor estilo BBB.

Confira a repercussão na web:

Paulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email [email protected].
Veja mais ›