Juliana Silveira revela ter recusado convite da Globo para não frustrar público infantil

Juliana Silveira
Juliana Silveira revelou detalhes de sua carreira após o sucesso de Floribella (Imagem: Divulgação / Band)

Com a reprise de Floribella (2005) na Band, Juliana Silveira celebra o retorno de seu trabalho mais marcante na TV e revela que o sucesso de Maria Flor entre o público infanto-juvenil a impediu de aceitar um convite de Gilberto Braga para interpretar a prostituta Telminha na novela Paraíso Tropical (2007). A personagem acabou ficando com Isis Valverde, enquanto Silveira estreou naquele mesmo ano na Record, em Luz do Sol.

“Lá atrás eu não aceitei ir pra Globo porque eu ainda tinha produtos licenciados e eu não queria fazer uma prostituta no horário das nove. A Globo é uma máquina muito forte, imagina? Eu sair de Floribella e chegar numa prostituta? Eu falei: ‘Não dá pra mim’. Mas hoje em dia eu tô prontíssima pra essa prostituta”, contou a atriz, durante uma live promovida pela revista Mais Novela no Instagram..

Ao falar sobre a carreira, Juliana lembrou que, no início dos anos 2000, as atrizes mais jovens demoravam mais tempo para chegar ao horário nobre, e criticou o que chamou de “culto à juventude” nas novelas atuais.

“Hoje em dia quando você vê a Marina Ruy Barbosa, essas meninas são jovens pra estar protagonizando uma novela das nove. Quando eu comecei não era assim, a gente começava em Malhação e aos poucos a gente ia amadurecendo, fazendo novela das sete, pra depois chegar ao horário nobre. Essas meninas são talentosas e eu amo todas elas, mas eu vejo um culto a essa juventude”, comparou.

No ar também nas reprises de Apocalipse (2017), na Record, e Laços de Família (2000), na Globo, a atriz aguarda o início das gravações da segunda temporada da série Matches, da Warner, para voltar ao trabalho, e revelou estar apreensiva com o futuro da TV aberta no Brasil, por acontecimentos como as recentes demissões de atores veteranos na Globo.

“Eu estou preocupada. A televisão precisa de veteranos, [assim como] precisa de programação infantil, precisa de um monte de coisa que eles estão abrindo mão. Quem é que está controlando isso, alguém avisa? Chamam o Boni, gente, pelo amor de Deus! A TV aberta faz parte da nossa cultura. A gente precisa de uma TV aberta forte e precisa de concorrência. Precisa da Globo forte, da Band forte, da Record forte…”, desabafou.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Confira o delicioso papo com a estrela da icônica série Floribella, que volta logo mais, às 20h20, à tela da Band! 👕 @obornoficial

Uma publicação compartilhada por Mais Novela (@mais.novela) em

CONTINUE LENDO →

Daniel Ribeiro cobre televisão desde 2010. No RD1, ao longo de três passagens, já foi repórter e colunista. Especializado em fotografia, retorna ao site para assinar uma coluna que virou referência enquanto esteve à frente, a Curto-Circuito. Pode ser encontrado no Twitter através do @danielmiede ou no danielribeiro@rd1.com.br.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com