Nos 70 anos da TV brasileira, 10 momentos que marcaram época

TV brasileira
Completando 70 anos, a TV brasileira teve muitos momentos marcantes (Imagens: Reprodução – Band – SBT – Globo/ Montagem – RD1)

Companhia para milhões de brasileiros até hoje, a televisão completa 70 anos no Brasil nesta sexta-feira (18). Para comemorar a data, esta coluna preparou uma lista bem especial com 10 momentos que marcaram época. É hora de refrescar a memória e matar a saudade dessas grandes situações da TV brasileira.

No velho e querido banco

Um dos ícones da TV brasileira, Silvio Santos não pode faltar em nossa lista. Por isso, decidimos lembrar de uma participação rara do apresentador em um histórico programa: A Praça é Nossa. No ar até hoje, o humorístico de Carlos Alberto de Nóbrega, que já havia passado por outros canais, estreou no SBT. O empresário, então, surpreendeu o seu funcionário e cumpriu uma promessa, promovendo ao público um momento inesquecível.

Selinhos memoráveis de Hebe

Rainha da televisão, Hebe Camargo (1929-2012) marcou história com seus posicionamentos firmes, jeito extrovertido e pelos inesquecíveis selinhos. Foram muitos ao longo de toda sua trajetória. O carinhoso gesto da estrela com seus convidados virou marca registrada em 1997, quando decidiu surpreender Rita Lee. A partir daí foram bitocas em artistas de TV, cantores, apresentadores, jogadores e até políticos. Um dos mais aguardados e pedidos por Hebe durante anos foi em Silvio Santos.

Um grito emblemático eternizado

Um grito que marcou história. Assim podemos resumir o dia em que Galvão Bueno narrou emocionadamente a final da Copa de 1994 ao lado de Pelé. Isso porque foi nesta data que o Brasil quebrou o jejum de 24 anos sem o título. “Acabou, acabou, acabou. É tetra, é tetra”, berrava o principal narrador da Globo, direto da cabine de transmissão, após a decisão nos pênaltis.

O jeito único da Dercy

Dercy Gonçalves (1907-2008) é sempre lembrada pela sua trajetória no teatro, cinema e televisão, mas também seus comentários polêmicos e atitudes surpreendentes na televisão. Foram vários os momentos que ela causou, por exemplo, nos programas de Hebe, como da vez em que ela provocou espanto ao dar detalhes da sua primeira vez na cama com um homem ou quando mostrou seios para garantir que é “mulher mais bonita do Brasil”. Na ocasião, Hebe também entrevistava Roberta Close, em plena Ditadura Militar.

Início dos realities no Brasil

O começo deste século trouxo ao telespectador brasileiro um novo tipo de programa: o reality show. A estreia aconteceu em 23 de julho de 2000 com o No Limite, apresentado por Zeca Camargo. A atração mostrava pessoas comuns confinadas, vivendo situações que exigiam resistência física e psicológica. Ao ver o sucesso do formato, Silvio Santos decidiu agir rapidamente e, de forma sigilosa, preparou A Casa dos Artistas e o estreou em outubro do mesmo ano. O programa foi um sucesso estrondoso e fez a Globo entrar com um processo contra a concorrente por plágio.

União dos gigantes dos domingos

Em 2003, uma multinacional investiu alto para fazer um crossover inesperado entre dois gigantes dos domingos, Gugu Liberato (1959-2019) e Fausto Silva, que disputavam ponto a ponto na audiência desde os anos de 1990. O Domingão do Faustão e Domingo Legal, da Globo e do SBT, respectivamente, aceitaram a campanha e os dois comunicadores interagiram ao vivo e dividiram a tela no palco das suas atrações.

Edição histórica do JN

Principal telejornal da TV brasileira, o Jornal Nacional marcou época com suas reportagens e entradas ao vivo. É difícil até lembrar apenas um momento especial do JN. No entanto, não podemos deixar de citar a edição histórica sobre o atentado do 11 de setembro de 2001. “Onze de setembro de 2001: uma terça-feira que vai marcar a História da humanidade. A maior potência do planeta é alvejada pelo terror”. Foi assim que William Bonner e Fátima Bernardes abriram a épica escalada daquela noite. O noticioso apresentou uma edição especial com uma hora de duração.

Acidente fatal ao vivo na TV

O Brasil parou para olhar e acompanhar o acidente que culminou na morte de Ayrton Senna (1960-1994). A Globo acompanhava ao vivo a situação, durante a transmissão da corrida em Ímola. Amigo do piloto, Roberto Cabrini, que estava no local, inclusive, seguiu imediatamente para o hospital, em Bolonha, para onde ídolo foi levado minutos depois. De lá, ele enviou boletins sucessivos sobre o estado do piloto, enquanto os brasileiros aguardavam boas notícias, que, infelizmente, não chegaram.

Primeiro debate presidencial pós-ditadura

Há pouco mais de 30 anos, a Band fez história ao conduzir o primeiro debate presidencial da TV brasileira, em 1989. O ano foi marcante por ter tido a primeira eleição da redemocratização, após 21 anos de Ditadura Militar. Comandado por Marilia Gabriela, o encontro ficou marcado pelas discussões calorosas entre os candidatos, como entre Paulo Maluf e Leonel Brizola. A mediadora precisou de muito sangue frio para pedir silêncio da plateia e a ordem entre os candidatos.

O fim da pioneira

“Boa noite. Está no ar a televisão do Brasil!”. Foi assim que a TV Tupi anunciou a primeira transmissão brasileira, em 18 de setembro de 1950. A empresa fundada por Assis Chateaubriand ficou no ar até o dia 18 de julho de 1980, quando não teve sua concessão renovada pelo governo de João Figueiredo (1918-1999).

Os últimos momentos do canal, antes do seu desligamento, contaram com muita emoção dos funcionários, depoimentos dramáticos e críticas aos governantes. “Deixe-nos trabalhar, senhor presidente”, imploravam os profissionais. Funcionários do Governo, então, foram até o prédio da TV Tupi e retiraram o cristal e outras peças do transmissor.

CONTINUE LENDO →

Fábio Almeida é jornalista, produtor multimídia e um apaixonado pelo que acontece na televisão. É redator e responsável pela coluna “Do Fundo do Baú”, publicada às quintas-feiras no RD1, com conteúdos marcantes da história da TV brasileira. Está nas redes sociais no @luizfabio_ca e também pode ser através do email luizfabio@rd1audiencia.com