Nos domingos da TV, atrações de décadas passadas fazem mais sucesso que programas atuais

Domingos da TV
Seriados de décadas passadas vêm registrando mais audiência que programas inéditos nos domingos da TV (Imagem: Reprodução / Twitter)

Nos domingos da TV, sempre foi hábito se reinventar – ou deveria ser. Essa reinvenção nos dá a ideia de que novidades deveriam fazer parte da programação dos canais de televisão constantemente. Afinal, com uma cartela de atrações 24 horas, espaço é o que tem de sobra para se ter um vasto cardápio de atrações.

Mas não é o que se pode observar na TV aberta, ou, não-segmentada, como se chama nos meios acadêmicos. Atrações do passado vêm fazendo mais sucesso de audiência e repercussão do que produções inéditas. Isso acontece em três das quatro maiores emissoras do Brasil: SBT, Record e Band.

No SBT, de Silvio Santos, temos o coringa da programação, Chaves e sua turma, ocupando uma vasta faixa na madrugada de sábado e aos domingos de manhã. A programação matinal dos domingos traz o “menino do oito” mostrando que ainda está na mente das pessoas e segue sendo um bom tapa-buraco. O seriado mexicano estrelado por Roberto Bolaños é responsável por alavancar a audiência matinal do canal da Anhanguera e empurrar o Domingo Legal para os primeiros postos do ranking de audiência.

Além do mais, Chaves deixa claro que, mesmo produzido nas décadas de 1970/80/90, em formato técnico antigo e com áudio questionável em alguns episódios, é o responsável por um grande sucesso há décadas. Mesmo em meio às estripulias de Silvio Santos e a volta de sua “grade voadora”, Chaves retorna ao posto dos domingos de manhã e faz bonito com uma audiência que o SBT não via mesmo com produtos inéditos.

Na Record, por sua vez, Todo Mundo Odeia o Chris vem sendo a carta usada para alavancar a programação de domingo, após surras feias que levou do SBT com o combo de domingo, que não surtiu efeito. Nem mesmo Sabrina Sato e Xuxa Meneghel conseguiram chamar a atenção do público tanto quanto Chris vem fazendo. Para conter o avanço de Chaves, a Record escalou a produção da década de 1990 e vem mostrando que está no páreo pela disputa de audiência novamente.

Se antes, a emissora de Edir Macedo suava a camisa para encostar no segundo lugar com o desgastado Domingo Show, sob o comando de Geraldo Luís e atualizado com Sabrina Sato, depois, com o seriado americano, a Record tem visto o SBT pelo retrovisor, em alguns momentos de terceiro lugar. Parece que o bom e velho jogo instável da televisão virou. A produção “empoeirada’ vem registrando mais audiência do que a novidade Made in Japão. E vale lembrar que a Record ainda tem outro trunfo: Pica-Pau, que pode aparecer a qualquer momento na programação.

Do outro lado, na Band, por conta da pandemia. o canal de Johnny Saad optou por uma opção mais fácil para ocupar a grade aos domingos de manhã: tokusatsus. O canal do Morumbi, que exibe esporte ao vivo pelas manhãs e vê sua audiência oscilar entre 0,5 e 0,7 pontos, acompanhou a triplicação dos índices ao colocar em cena os seriados japoneses O Fantástico Jaspion (escrevi uma coluna sobre), Esquadrão Relâmpago Changeman (veja como estão os atores do seriado nos dias de hoje) e Jiraya, o Incrível Ninja (descubra algumas curiosidades) dentro do Mundo Animado.

As produções da década de 1980 chegam a marcar 2,5 pontos de pico e fizeram a Band alcançar uma marca impressionante nas manhãs de domingo com algo já conhecido pelo público há vários anos. Os heróis que vivem na memória de muitos telespectadores – como este colunista que não perde um domingo sequer – mostram que ainda têm força para salvar o mundo e os domingos da TV não-segmentada.

Mas, por que tais produções de décadas passadas ainda fazem sucesso e ganham tamanha repercussão? A explicação pode ser dada pela nostalgia, de forma resumida. Tanto Chaves quanto Chris, Jaspion, Changeman e Jiraya foram vistos por muitas gerações que seguem adorando tais séries. No caso das japonesas citadas, há grupos de discussões no Facebook que acompanham em tempo real o que se passa na televisão.

Além disso, pelo Twitter, os “Metal Heros” – como são chamados os heróis que usam armaduras de metal – se colocam entre os cinco assuntos mais comentados do Brasil pelos internautas, mostrando que a repercussão segue no páreo com produções atuais e outros assuntos do momento, até de outra áreas como política. Os japoneses, veja só, disputam pau-a-pau com produções da toda poderosa TV Globo,  a segunda maior emissora do mundo.

São produtos de outros tempos, onde não existia uma qualidade digital, com alta definição, com efeitos nada hollywoodianos, atores pouco desconhecidos até então, mas que marcaram a história da TV mundial e de quem a assistiu, e assiste.

CONTINUE LENDO →

Reuber Diirr é formado em jornalismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Com passagens pela Record News ES e TV Gazeta (Globo/ES), é apaixonado por televisão e acompanha as coletivas de imprensa com matérias exclusivas em vídeos com os artistas para o RD1. Além disso, produz conteúdo multimídia com as principais informações dos famosos para o Instagram, Twitter, Facebook e Youtube do RD1. Acompanhe os eventos com famosos clique aqui!