Patrícia Abravanel defende Caio Castro e Rafa Kalimann e pede que gays respeitem homofóbicos

Patrícia Abravanel
Patrícia Abravanel choca com discurso contra comunidade LGBTQI+ (Imagem: Reprodução / SBT)

Patrícia Abravanel causou enorme polêmica no Vem Pra Cá desta terça-feira (1º) ao defender Caio Castro e Rafa Kalimann, que foram acusados de homofobia por causa de um vídeo de um pastor. No programa do SBT, a filha de Silvio Santos pediu para o público LGBTQI+ respeitar os homofóbicos.

Durante a sua fala torta e retrógrada, a herdeira da família Abravanel afirmou que os mais velhos, se referindo aqueles com mais de 40 anos, “foram educados por pais mais conservadores”.

“A gente está aprendendo, a gente está se abrindo, mas eu acho que é um direito também das pessoas respeitarem. Por que não concordar em discordar?”, questionou. “A gente pode ter opiniões diferente, eu e [Gabriel] Cartolano, mas tudo bem. Tudo é muito enfatizado, tudo é muito polemizado”, reclamou.

Patrícia Abravanel defendeu Caio Castro e Rafa Kalimann da polêmica. “Eu não acho que o Caio e a Rafa são preconceituosos, são homofóbicos, eu acho que eles foram educados de uma outra maneira”, defendeu ela, que surpreendeu em outro momento do discurso ao vivo:

“Assim como LGDBTQYH não sei… Querem o respeito, eu acredito que [o grupo] tem que ser mais compreensivo com aquele que hoje ainda não entende direito e está se abrindo para isso. E é difícil quando a gente vai educar os filhos e falar sobre isso, sabia? Então eu vou falar para o pessoal do LGBTQIC: é muito difícil educar filhos e falar com o meu filho, como falar com o meu filho? A gente vem de um [mundo] conservador. A gente não sabe lidar”.

Como se o fato de um homem gostar de outro homem e uma mulher gostar de outra mulher fosse um bicho de sete cabeças, Patrícia Abravanel prosseguiu:

“Então, tem que ter respeito, compreensão e não massacre, cancelamento. Não é por força, por poder, por diálogo, por conversa, por respeito. É assim que a gente vai chegar em um mundo sem homofobia”.

Gabriel Cartolano, visivelmente preocupado com a possível reação do público após a fala da colega de programa, deu sua opinião sincera. “Quando a gente levanta esse debate, eu fico pensando: ‘Ah, eu sou contra, mas eu respeito’. Eu acho que essa questão, eu acho que você nasce. E quando você nasce, é um direito seu de ser e estar”, defendeu.

“Quando você adota esse discurso: ‘eu sou contra, mas eu respeito’. Eu acho que você acaba segmentando mais ainda”, alfinetou o apresentador. O toque em Patrícia não adiantou, e ela soltou mais preconceito:

“Eu converso com bastante. Eles falam que tem os que nascem. Eles falas: tem gente que nasce assim’. E eu acredito que tem gente que realmente nasce assim. E tem aqueles que vão querendo experimentar de tudo e ai não sabe o que é e fica naquele conflito, e eu acho que tem de tudo”.

“Eu preciso ser ensinada. Eu preciso aprender como eu vou falar isso para os meus filhos. Eu já tenho falado. Já tenho conversado”, finalizou a apresentadora do SBT.

Confira:

Paulo CarvalhoPaulo Carvalho
Paulo Carvalho acompanha o mundo da TV desde 2009. Radialista formado e jornalista por profissão, há cinco anos escreve para sites. Está no RD1 como repórter. Pode ser encontrado nas redes sociais no @pcsilvaTV ou pelo email [email protected].
Veja mais ›