Band segue os passos da Globo e leva acervo histórico ao streaming

Band
Faustão e Gugu Liberato, concorrentes à frente do Perdidos na Noite (Band) e do Viva a Noite (SBT) (Imagem: Reprodução / Blog Milton Neves)

Lançada há pouco mais de dois meses, a plataforma da Band no streaming, BandPlay, ganhará novos investimentos nos próximos meses, tanto em tecnologia quanto em conteúdo. O aplicativo passará a abrigar todo o material do Grupo Bandeirantes, incluindo canais de TV e programas de rádio.

A grande novidade, porém, será o lançamento do já prometido resgate do acervo histórico da emissora, sempre alvo de críticas pela má preservação e pouca utilização na programação. Não há uma definição oficial das atrações que estarão disponíveis na plataforma, mas o canal promete a presença de “programas atemporais”.

A Band detém registros históricos de musicais de grandes nomes da música brasileira, como Elis Regina, Chico Buarque, Tim Maia e Milton Nascimento, além de programas que marcaram época, a exemplo do Perdidos da Noite (1984-1988), comandado por Fausto Silva – de volta à emissora –, e de atrações como Programa H (1996-1999), Márcia (2007-2010), CQC (2008-2015) e A Liga (2010-2016).

Também há centenas de arquivos de transmissões esportivas, com títulos da Seleção Brasileira, jogos olímpicos e a mais recente Fórmula 1. Na dramaturgia, a emissora é dona de grandes sucessos dos anos 1970 e 1980, como Cara a Cara (1979), estrelada por Fernanda Montenegro e Débora Duarte, Meu Pé de Laranja Lima (1980), Os Adolescentes (1981) e Os Imigrantes (1981), saga de Benedito Ruy Barbosa.

Também há tramas lançadas nos anos 2000, como Floribella (2005), Paixões Proibidas (2006) e últimas produções do gênero, Dance, Dance, Dance (2007) e Água na Boca (2008). Além de apostar na própria programação, o BandPlay está em busca da aquisição de produções de outros países e não descarta firmar parcerias de negócios.

Sensatez

A revista 29 Horas deste mês, disponível gratuitamente nas salas de embarque e desembarque do aeroporto de Viracopos (Campinas, São Paulo), traz uma entrevista exclusiva com Paulo Betti. O intérprete do Téo Pereira, de Império (2014), sabiamente associou o caráter maldoso do fofoqueiro ao Gabinete do Ódio, como se convencionou chamar os disseminadores de notícias falsas e detratores dos desafetos de Jair Bolsonaro:

O Téo ocupava um espaço que hoje é o das fake news, do jornalismo sem ética. Ele inventava notícias, distorcia fatos, destruía reputações, era maldoso. De certa forma, foi um precursor desse Gabinete do Ódio que funciona em Brasília“.

Betti também lamentou o apoio da colega Regina Duarte ao presidente da República. “A trajetória da Regina foi uma coisa trágica, sem dúvida. Ela vem de uma consciência política, lá do tempo do seriado Malu Mulher, mas foi decaindo e se metamorfoseando até se converter nesse ser amargurado que tentou justificar a Ditadura Militar e apoiou o governante que conduz o nosso país de forma desastrosa. É muito triste“.

Molecada

O Canal Viva estreia hoje (3), às 18h, a série As Crianças Que Amamos. Profissionais que iniciaram suas trajetórias na televisão ainda pequenos, como Elizângela, Danton Mello, Fernanda Rodrigues e Carla Diaz serão reverenciados pela produção. O primeiro episódio traz depoimentos, e muito material de arquivo, de Deborah Secco. A Alexia de Salve-se Quem Puder chegou à telinha em 1990, então com 10 anos, como a Denise de Mico Preto.

Muito além de “Além”…

Causou confusão a nota do site Observatório da TV, sem confirmação oficial, sobre a reapresentação de Além do Tempo (2015) às 18h. Armando Babaioff brincou, via Twitter, que fica “sabendo que horas são de acordo com o visual do Rafael Cardoso“, protagonista da trama de Elizabeth Jhin. Já Alinne Moraes, que dividiu a “linha de frente” com Cardoso, quis saber no Instagram quem está torcendo pela reapresentação.

Fato é que o plano da Globo, conforme a Curto-Circuito destacou ontem (2), é estrear Nos Tempos do Imperador em agosto. As gravações estão adiantadas – assim como as de Um Lugar ao Sol, às 21h. Além do Tempo, contudo, é sempre uma boa pedida. Numa dessas, o Vale a Pena Ver de Novo está logo ali ao lado…

Duh Secco e Daniel RibeiroDuh Secco e Daniel Ribeiro
A coluna Curto-Circuito é assinada por Duh Secco e Daniel Ribeiro, editor-assistente e repórter especial do RD1, respectivamente, e reúne, de terça a sábado, logo cedinho, o que é e vai virar notícia nas próximas horas envolvendo os movimentados bastidores da TV.
Veja mais ›