Exclusivo: Coautora de Verdades Secretas, Maria Elisa Berredo deixa a Globo

Maria Elisa Berredo
Maria Elisa Berredo deixa a Globo após décadas de parceria e clássicos como Senhora do Destino e Verdades Secretas (Imagem: Reprodução / Facebook)

A autora Maria Elisa Berredo deixou a Globo. A informação, obtida com exclusividade por esta coluna do RD1, foi confirmada pela Comunicação da emissora. Parceira de Aguinaldo Silva em Senhora do Destino (2004) e de Walcyr Carrasco em Verdades Secretas (2015), Maria Elisa vinha trabalhando com Denise Bandeira e Gilberto Braga em Feira das Vaidades, novela cotada para a faixa das 18h.

Maria Elisa Berredo chegou à colaboração em 1997, com A Indomada, de Aguinaldo e Ricardo Linhares. Seguiu com os dois autores em trabalhos como Meu Bem Querer (1998), Porto dos Milagres (2001), Agora é Que São Elas (2003), Cinquentinha (2009) e Fina Estampa (2011). Passou também pelas primeiras temporadas de Malhação – Múltipla Escolha (1999), Tempos Modernos (2010) e Boogie Oogie (2014).

Com Carrasco, escreveu Verdades Secretas, premiada com o Emmy Internacional de melhor novela. Os dois se separaram durante os trabalhos de Êta Mundo Bom (2016). Maria Elisa estava fora do ar desde então; em junho, adiantou detalhes de sua participação em Feira das Vaidades, com Denise e Gilberto, numa live do perfil Cenas da Teledramaturgia Brasileira.

Sobre a saída de Maria Elisa Berredo do canal, a Comunicação da Globo informa que “nos últimos anos, temos tomado uma série de iniciativas para preparar a empresa para os desafios do futuro. Com isso, temos evoluído nos nossos modelos de gestão, de criação, de produção, de desenvolvimento de negócios e também de gestão de talentos. Assim, em sintonia com as transformações pelas quais passa nosso mercado, a Globo vem adotando novas dinâmicas de parceria com seus talentos. Maria Elisa Berredo, assim como outros talentos, tem abertas as portas da empresa para atuar em futuros projetos em nossas múltiplas plataformas”.

Cabe lembrar que, apenas em 2020, a emissora abriu mão de medalhões como Aguinaldo Silva, Miguel Falabella e Walther Negrão. Também de Izabel de Oliveira, Paula Amaral e Ricardo Hofstetter. Benedito Ruy Barbosa, hoje sem contrato fixo com a casa, voltou à ativa através do remake de Pantanal (1990), clássico da Manchete atualizado por seu neto, previsto para às 21h em 2021.

Maria Elisa Berredo
Dennis Carvalho, ator e diretor, segue contratado da Globo (Imagem: João Cotta / Globo)

A coluna também recebeu a informação da saída de Dennis Carvalho da Globo. Improcedente. O diretor de clássicos como Roda de Fogo (1986), Vale Tudo (1988), Anos Rebeldes (1992), Sai de Baixo (1996), Celebridade (2003), Paraíso Tropical (2007), Lado a Lado (2012) e Rock Story (2016) segue na casa. Dennis chegou à estação há 45 anos, como ator.

Maria Elisa Berredo
Silvio de Abreu e Benedito Ruy Barbosa: diretor de dramaturgia não participou de matéria do Fantástico sobre Pantanal (Imagens: João Cotta – João Miguel Júnior / Globo)

Sobre Pantanal e Benedito: a ausência de Silvio de Abreu, diretor de dramaturgia da Globo, na matéria que o Fantástico exibiu domingo (6) a respeito do remake, chamou a atenção deste colunista. Ficou a impressão de que o projeto conta com respaldo apenas do diretor de produção Ricardo Waddington – recentemente apontado como sucessor de Silvio, que negou sua saída do cargo à esta coluna.

Em 2016, Ruy Barbosa vetou, publicamente, qualquer palpite de Abreu em Velho Chico.

Pedi ao (Carlos Henrique) Schroder (diretor-geral da Globo), de quem sou amigo e aprendi a admirar, para que não deixasse, de forma alguma, o Silvio de Abreu ter qualquer ingerência na novela.”, declarou ao UOL. “Jamais o tratei mal, ele também nunca me tratou mal. Mas eu não vejo nele condições para ler uma sinopse e decidir se a novela vai ou não para o ar”, complementou.

Maria Elisa Berredo
Eva Wilma (Rebeca) em Plumas e Paetês; novela de Cassiano Gabus Mendes e Silvio de Abreu completa 40 anos (Imagem: Divulgação / Globo)

Memória

Hoje (8), 40 anos da estreia de Plumas e Paetês. A novela de Cassiano Gabus Mendes marcou a estreia de Eva Wilma na Globo. A atriz, egressa da Tupi – extinta em junho de 1980 – vivia Rebeca, dona de uma fábrica de jeans que resistia ao assédio do executivo Márcio (John Herbert, ex-marido de Eva), mas não às investidas do segurança Gino (Paulo Goulart).

Tal trama foi incorporada ao remake de Tititi (2010); Christiane Torloni, Tato Gabus e Marco Ricca responderam pelos respectivos personagens. O mesmo se deu com o eixo central: Marcela (Elizabeth Savala), confundida com a noiva de um amigo falecido recentemente, infiltra-se na família dele; acaba apaixonada pelo cunhado Edgar (Cláudio Marzo) – personagens destinados a Isis Valverde e Caio Castro na segunda versão.

‘Plumas’ patinou na audiência até que Gabus Mendes, infartado, pediu à Globo que escalasse Silvio de Abreu para concluir o folhetim. Com o auxílio da esposa, Silvio tomou parte dos cerca de 100 capítulos exibidos até então. Os índices subiram consideravelmente, propiciando ao hoje diretor de dramaturgia sua primeira investida bem-sucedida no canal, Jogo da Vida (1981).

CONTINUE LENDO →

Duh Secco é “telemaníaco” desde criancinha. Em 2014, criou o blog “Vivo no Viva”, repercutindo novelas e demais atrações do Canal Viva. Foi contratado pela Globosat no ano seguinte. Integra o time do RD1 desde 2016, nas funções de repórter e colunista. Também está nas redes sociais e no YouTube (@DuhSecco), sempre reverenciando a história da TV e comentando as produções atuais.