Por que Jéssica Senra, a “Sheherazade feminista”, é a bola da vez na TV?

Jéssica Senra
Jéssica Senra anda em alta (Imagem: Divulgação / Globo)

Em 17 de julho de 2017, revelei com exclusividade aqui no RD1 que a TV Bahia/Globo estava sondando Jéssica Senra para o seu elenco. Na época, ela apresentava o telejornal líder absoluto de audiência Bahia no Ar, na Record Itapoan. Logo no primeiro parágrafo, abro a nota classificando-a como “nova promessa da televisão”.

Um ano depois, Jéssica foi contratada a peso de ouro pela afiliada global, causou um verdadeiro terremoto na empresa, e foi um dos destaques de 2019 na bancada do Jornal Nacional.

Com um estilo singular, além de opiniões fortes e contundentes, Jéssica já um sucesso. Dentro da TV Bahia, porém, muita gente ainda torce o nariz para a moça, seja pela liberdade editorial ou pelo alto salário para o padrão da casa…

Sendo um baiano legítimo, evito jogar confete em filhos da terra justamente por não ter isenção suficiente para tal. Ufanismo me dá ginge. Jéssica é um caso a parte. Me permito dizer que ela é realmente uma excelente profissional e tem um futuro promissor na televisão.

Mas, por quê?

Explico: na Bahia, jornalista que opina demais é malvisto. Sabe aquele ditado “prego que se destaca sempre leva martelada”? Pois é. Jéssica conseguiu quebrar esse tabu na televisão, sem apelar. Ela sabe a medida certa do chá. É o que podemos chamar de “Sheherazade feminista” – ademais, está trilhando o mesmo caminho da colega de profissão do SBT, ganhando destaque nacional por seus comentários. E nem precisaria destacar aqui outros dois atributos que estão ao seu favor: é bonita e tem ótima dicção.

A Globo precisa de novos talentos que aceitem se expor e Jéssica sabe falar a mesma língua das massas. Se continuar avançando na carreira trilhando o caminho da serenidade e sapiência, ela facilmente terá espaço em rede nacional. Está mais do que gabaritada para assumir o posto de âncora em qualquer programa jornalístico – incluindo o Fantástico, por exemplo.

Em tempo, não sou amigo de Jéssica e muito menos a conheço pessoalmente. Disserto apenas aqui como telespectador e crítico de mídia. Ela realmente tem a minha admiração e respeito. Corre, Ali Kamel.

CONTINUE LENDO →

Henrique Brinco é baiano, formado em Comunicação Social pela Unijorge, de Salvador. Atua no jornalismo desde 2008, passando pelas editorias de política, cidades, cultura e entretenimento em diversos portais de notícias, locais e nacionais. Foi por cerca de dois anos editor-chefe do site Varela Notícias, de Raimundo Varela, apresentador da Record Itapoan. Já foi colunista do RD1 anteriormente, por seis anos. Atualmente é repórter de política do jornal Tribuna da Bahia e do site BNews.

ALERTAS GRATUITOS