Se Globo mantiver ritmo de cortes, Fina Estampa pode chegar ao fim em julho

Fina Estampa
Com 2 capítulos em 1, Fina Estampa pode chegar ao fim entre julho e agosto (Imagem: Divulgação / Globo)

A incerteza em relação ao retorno das gravações de novelas e séries não tem impedido a Globo de passar o facão em diversas cenas de Fina Estampa. Desde que estreou no horário nobre, em 23 de março, a trama de Aguinaldo Silva tem compactado praticamente dois capítulos em um.

O capítulo de número 35, por exemplo, marcou o retorno de Pereirinha (José Mayer) à vida da ex-esposa e, não por acaso, da nova milionária do pedaço, Griselda (Lília Cabral). As cenas foram exibidas originalmente no capítulo 67 da trama, mais precisamente no dia 7 de novembro de 2011, com quase três meses de novela no ar.

Se continuar neste ritmo, a Globo deve condensar os capítulos restantes em cerca de 60, e, desta forma, Fina Estampa chegaria ao fim em meados de julho, bem antes da previsão interna para o retorno de gravações de Amor de Mãe. Na melhor das hipóteses, a equipe da trama de Manuela Dias planeja retomar os trabalhos em agosto, mas precisará de mais um tempo para abrir uma nova frente de gravações.

Com audiência em alta, a Globo pode rever a decisão de exibir o folhetim com cortes, o que garantiria um tapa-buraco para os próximos 4 meses. Essa opção, no entanto, esbarraria em questões artísticas, sociais e nos critérios de exibir histórias leves no momento em que os brasileiros enfrentam uma pandemia do coronavírus.

A emissora está deixando de fora cenas consideradas indesejadas para os dias atuais, como as que Celeste (Dira Paes) apanha de Baltazar (Alexandre Nero), já que o marido agressor acabou se tornando um personagem cômico na reta final, e a homofobia gratuita – e sem compromisso social – sofrida por Crô (Marcelo Serrado). As cenas de apelo sexual, como as que Dagmar (Cris Viana) aparece nua tomando banho, sem nenhuma contribuição para a história, também foram eliminadas.

Se optar por manter os cortes, a Globo terá que buscar uma nova reprise para as 21h. Segundo a revista Veja, Amor à Vida (2013) e A Força do Querer (2017) estavam na lista de títulos cotados quando o canal decidiu por Fina Estampa e, portanto, devem ser lembradas neste cenário hipotético.

Daniel Ribeiro cobre televisão desde 2010. No RD1, ao longo de três passagens, já foi repórter e colunista. Especializado em fotografia, retorna ao site para assinar uma coluna que virou referência enquanto esteve à frente, a Curto-Circuito. Pode ser encontrado no Twitter através do @danielmiede ou no danielribeiro@rd1.com.br.

WordPress Lightbox